American Airlines registra queda da receita em 73% no 3T20

|

Divulgação
Hoje (22), a American Airlines divulgou seus resultados financeiros do terceiro trimestre de 2020, incluindo a receita de US$ 3,2 bilhões no período, representando uma queda de 73% comparado ao terceiro trimestre de 2019. A aérea também registrou uma redução de 59% no total de milhas por assento disponíveis (ASMs) ano a ano, e uma perda líquida de US$ 2,4 bilhões, ou US$ 4,71 por ação entre julho e setembro deste ano.

“Durante o terceiro trimestre, tomamos medidas para reduzir nossos custos, fortalecer nossa posição financeira e garantir que nossos clientes voltem a viajar com confiança. A equipe da American Airlines está fazendo um trabalho notável cuidando de nossos clientes e uns dos outros durante o período mais desafiador da história do nosso setor", afirmou o presidente e CEO da American Airlines, Doug Parker.

A companhia aérea terminou o terceiro trimestre com aproximadamente US$ 13,6 bilhões de liquidez total disponível. Além disso, em outubro, a empresa aumentou sua capacidade de crédito em US$ 2 bilhões por meio do programa de empréstimo Cares Act para US$ 7,5 bilhões. Com este aumento, o saldo de liquidez da empresa no terceiro trimestre é de aproximadamente US$ 15,6 bilhões.

A American continua a tomar medidas agressivas para reduzir custos e preservar dinheiro. A companhia aérea estima que removeu aproximadamente US$ 17 bilhões de seus orçamentos operacionais e de capital para 2020. Isso foi alcançado principalmente por meio da economia de custos resultante da redução dos voos. A empresa também removeu mais de 150 aeronaves de sua frota por meio de aposentadorias antecipadas ou colocando aeronaves em armazenamento temporário e chegou a um acordo com a Boeing para garantir os direitos de adiar as entregas de 18 aeronaves 737 Max.

A empresa também tomou a difícil decisão de prosseguir com as licenças para reduzir o número de funcionários na ausência de uma extensão do Cares Act Payroll Support Program (PSP). No total, mais de 20 mil membros da equipe optaram por uma licença antecipada ou de longo prazo e 19 mil membros da equipe foram dispensados no início de outubro. A empresa, juntamente com seus sócios sindicais, continua a lutar agressivamente por uma extensão do PSP que permitiria à companhia aérea trazer de volta os funcionários dispensados e restabelecer o serviço aos mercados de pequeno e médio porte que sofreram sem a extensão dos fundos.

“Temos um longo caminho pela frente e nossa equipe permanece totalmente engajada e focada não apenas em lidar com a pandemia, mas em garantir que estejamos preparados para quando a demanda retornar. Estamos confiantes de que os esforços contínuos de nossa equipe e as ações que tomamos irão aumentar a confiança do cliente e fortalecer nossa empresa para o futuro”, concluiu Parker.

Confira os resultados financeiros completos.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA