American Airlines espera chegar a 31 voos no Brasil em dezembro

|

Hoje com 16 voos semanais entre o Brasil e os Estados Unidos, nas rotas São Paulo-Miami, Rio de Janeiro-Miami, São Paulo-Dallas e São Paulo-Nova York, a American Airlines quer dobrar esse número até dezembro deste ano. A programação, segundo o diretor Brasil, Alexandre Cavalcanti, é acrescentar mais frequências a essas rotas e adicionar o Rio-Nova York, chegando a 31 voos semanais. Dos 16 voos atuais, o único diário é o de São Paulo para Miami. Os demais são operados três vezes por semana.

Assim, a empresa atingirá 51% dos voos que tinha no Brasil no pré-pandemia, mais especificamente em março de 2020.
Os números foram divulgados durante o webinar Brazil Countdown to Opening, realizado pela Imaginadora, em parceria com a American, tendo como objetivo mostrar ao trade dos Estados Unidos que o brasileiro está pronto para viajar assim que as fronteiras americanas foram reabertas.

Programação de voos da American Airlines do Brasil para os Estados Unidos
Programação de voos da American Airlines do Brasil para os Estados Unidos
“Queremos trazer as notícias reais, e combater as fake news”, disse Ana Maria Donato, CEO da Imaginadora, que abriu o evento falando do avanço da vacinação no País e da intenção dos brasileiros em viajar para os Estados Unidos, o que foi comprovado pelos demais convidados:

- Carolina Sass de Haro, do TRVL LAB e Mapie, que mostrou que o destino é o número 1 em intenção de viagem para o Exterior, segundo a pesquisa Insights para o Turismo, do TRVL LAB com a ELO. Ela também aposta na busca por parques nacionais e destinos de natureza nos Estados Unidos.

Ana Maria Donato, CEO da Imaginadora
Ana Maria Donato, CEO da Imaginadora
- O próprio Alexandre Cavalcanti, da American Airlines, que destacou a parceria com a Gol, que permite conexões com a AA em 59 voos no Brasil. Cavalcanti também falou da estrutura no Brasil, com 476 colaboradores, incluindo os do hangar de manutenção em Guarulhos, o primeiro fora dos Estados Unidos. A American opera há 31 anos no País.

- Julia Dill Orrico, do GRU Airport, que já chegou a 81% de recuperação da malha doméstica, mas ainda está em 25% da internacional. Hoje o aeroporto tem conexões com 30 mercados internacionais, 23 de longo curso, e antes da pandemia, em dezembro de 2019, eram 50 no total.

- Bruna Milet, diretora da Decolar, que mostrou que, mesmo com as fronteiras fechadas os Estados Unidos respondem por 20% das buscas por destinos internacionais na OTA (conhecida nos países hispânicos como Despegar).

Sylvio Ferraz, da CVC Corp, e Ana Maria Donato, da Imaginadors
Sylvio Ferraz, da CVC Corp, e Ana Maria Donato, da Imaginadors
- Sylvio Ferraz, da CVC Corp, que destacou que, nas vendas internacionais de setembro, 50% dos passageiros têm embarque para 30 dias, mostrando que a reabertura de fronteiras causa um boom imediato.

Magda Nassar e Ana Donato
Magda Nassar e Ana Donato
- E Magda Nassar, presidente da Abav Nacional, que destacou a importância dos agentes de viagens na pandemia e no atual momento de retomada. Magda disse ao trade americano que a distribuição no Brasil é pulverizada por todo o País e que os agentes estão aumentando sua relevância transformando suas empresas em digitais e focando no serviço ao cliente. “Há mais de 60 mil empresas no Brasil classificadas como agências de viagens”, afirmou.

Marjori Schroeder foi a mediadora do evento, ao lado de Ana Maria Donato
Marjori Schroeder foi a mediadora do evento, ao lado de Ana Maria Donato



 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA