PESQUISAS E ESTATÍSTICAS

Crise da Avianca Brasil derruba tráfego aéreo no País; leia

Pixabay
Números de maio foram mensurados pela Alta (Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo)
Números de maio foram mensurados pela Alta (Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo)
Durante o mês de maio, as companhias aéreas que operam na América Latina e do Caribe transportaram 1,14 milhões de passageiros adicionais. O número significa crescimento de 4,8% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com levantamento mensal realizado pela Alta (Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo). Apesar deste bom resultado, o tráfego aéreo a partir de e para o Brasil apresentou queda de 1,12% em maio de 2019, o equivalente a 80 mil passageiros a menos que no mesmo período do ano passado.

A diminuição do volume de tráfego pode ser explicada, em parte, pelos reflexos da recuperação judicial da Avianca Brasil e consequente redução da oferta de voos disponíveis. Em maio, a companhia deixou de operar quase cinco mil voos, o que representou 856 mil passageiros a menos, sendo que muitos não puderam ser realocados em voos de outras companhias aéreas.

"Nossos mercados estão enfrentando desafios importantes, mas os números mostram o quão resiliente é a indústria aérea e apontam o potencial da região. Entre janeiro e maio de 2019, as companhias aéreas da América Latina e Caribe transportaram 352 mil passageiros entre a região e a Europa, um crescimento acumulado de 20%, que converte este em um dos mercados internacionais de maior dinamismo em nível global. Além disso, as empresas que operam na região celebram até esta data praticamente 16
anos consecutivos de crescimento do tráfego aéreo", destaca o diretor executivo e CEO da Alta, Luis Felipe de Oliveira.


Metade do bom desempenho, segundo a entidade, ocorreu devido ao aquecimento do mercado doméstico no México, que no mês pesquisado apresentou crescimento de 13% em relação a maio de 2018, com 4,7 milhões de passageiros adicionais transportados.

O tráfego extrarregional – voos para fora da América Latina e Caribe, entre países da região e de outros continentes – teve um aumento de 6,8% em maio. Esse movimento, segundo a associação, foi impulsionado pelo crescimento do tráfego aéreo com a Europa.

Neste quesito, o protagonismo fica com a Latam Airlines, que operou 188 voos adicionais entre a América Latina e o Caribe e o continente europeu. com destaque para a rota São Paulo-Lisboa, responsável por quase um terço do movimento (57 voos).


 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA