PESQUISAS E ESTATÍSTICAS

Tráfego aéreo na América Latina cresce 4,5% em julho

As companhias aéreas de América Latina e Caribe transportaram 1,2 milhão de passageiros em julho de 2019, de acordo com levantamento realizado pela Associação Latino- Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (Alta). O dado revela um crescimento de 4,5% no tráfego aéreo da região em relação a julho de 2018.

Emerson Souza
O CEO da Alta, Luis Felipe de Oliveira
O CEO da Alta, Luis Felipe de Oliveira

Em relação ao mercado brasileiro, o destaque continua sendo a rota entre Brasil e Portugal, que em julho de 2019 apresentou crescimento de 130,9% em relação ao mesmo período do ano anterior. No cenário doméstico, o tráfego aéreo no Brasil teve seu quarto mês consecutivo de queda, ainda impulsionado pelo encerramento das operações da Avianca Brasil.

“O mercado brasileiro mostra, no entanto, sinais de recuperação a partir do crescimento das companhias aéreas que operam no País e nós esperamos uma estabilização nos próximos meses”, comenta o diretor executivo e CEO da ALTA, Luis Felipe de Oliveira.

Os mercados domésticos da Colômbia, Chile e México tiveram um crescimento de mais de 10%, impulsionados em grande parte pelo aumento de companhias aéreas de baixo custo que estão se consolidando na região. No mercado internacional, houve um crescimento extrarregional de 12,3%, impulsionado principalmente pelo tráfego a partir de e para a Europa, que cresceu mais de 50%. Além da rota Brasil-Portugal, já mencionada, foram destaques México - Espanha, Chile - Espanha e Argentina – Espanha, com crescimento superior a 30% em cada segmento; e México - França com crescimento de 25%.

O tráfego a partir e para a Ásia e região do Pacífico também apresentou um crescimento significativo de 17%, impulsionado sobretudo pelos mercados Chile-Austrália e Chile-Nova Zelândia. O tráfego intrarregional internacional cresceu mais de 1,9%, com Peru-Chile (aumento de 12%), Peru-Colômbia (aumento de 16%), Peru-México (aumento de 14%) e Peru-Brasil (aumento de 7%).

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA