Tráfego global não atingirá níveis pré covid até 2024

|

Divulgação/ Iata
Alexandre de Juniac, CEO da Iata
Alexandre de Juniac, CEO da Iata
A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) divulgou uma previsão global atualizada de passageiros, mostrando que a recuperação do tráfego foi mais lenta do que o esperado. No caso, a associação concluiu que o tráfego global de passageiros (RPKs) não retornará aos níveis anteriores ao covid-19 até 2024, um ano depois do projetado anteriormente.

Espera-se que a recuperação nas viagens de curta distância ainda ocorra mais rapidamente do que nas viagens de longa distância. Como resultado, o número de passageiros se recuperará mais rápido que o tráfego medido em RPKs. A recuperação para os níveis anteriores ao covid-19, no entanto, também diminuirá em um ano de 2022 a 2023. Para 2020, espera-se que o número global de passageiros diminua 55% em relação a 2019, piorando em relação à previsão de 46% em abril.

O tráfego de passageiros em junho de 2020 prenunciou a recuperação mais lenta do que o esperado. O tráfego, medidas no RPK, caiu 86,5% em relação ao período do ano anterior. Isso é apenas ligeiramente melhorado em relação a uma contração de 91% em maio. Isso foi impulsionado pela crescente demanda nos mercados domésticos, principalmente na China. O fator de carga de junho estabeleceu uma baixa histórica de todos os meses em 57,6%.
Divulgação
A perspectiva de recuperação mais pessimista é baseada em várias tendências recentes, como a lentidão na contenção do vírus nos Estados Unidos e outras economias em desenvolvimento, a redução de viagens corporativas, e a queda de confiança do consumidor. Embora exista demanda reprimida por visitas familiares e viagens de lazer, a confiança do consumidor é fraca diante das preocupações com o aumento do desemprego, além dos riscos de contrair o vírus. Cerca de 55% dos participantes da pesquisa de passageiros da Iata em junho não planejam viajar em 2020.

“O tráfego de passageiros atingiu o fundo do poço em abril, mas a força da recuperação foi muito fraca. Que melhoria que vimos tem sido o voo doméstico. Os mercados internacionais continuam em grande parte fechados. A confiança do consumidor está deprimida e não é ajudada pela decisão do fim de semana do Reino Unido de impor uma quarentena geral a todos os viajantes que retornam da Espanha. E em muitas partes do mundo as infecções ainda estão aumentando. Tudo isso indica um período de recuperação mais longo e mais sofrimento para a indústria e a economia global”, afirmou o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac.

Espera-se que o número de passageiros aumente 62% em 2021 na base deprimida de 2020, mas ainda caia quase 30% em relação a 2019. Uma recuperação completa dos níveis de 2019 não é esperada até 2023, um ano depois do previsto anteriormente.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA