Iata lança manual sobre uso de testes para reabrir fronteiras

|

Divulgação/ Iata
Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata
Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata
A International Air Transport Association (Iata) anunciou o lançamento do Manual sobre Testes e Medidas de Gerenciamento de Risco Transfronteiriço pela Organização de Aviação Civil Internacional (ICAO). O documento tem o objetivo de fornecer aos governos uma ferramenta de avaliação baseada em risco para o uso de programas de teste que podem aliviar os requisitos de quarentena.

É uma produção crítica produzida pelo Acordo Colaborativo da ICAO para a Prevenção e Gestão de Eventos de Saúde Pública na Aviação Civil (CAPSCA). A CAPSCA reúne a experiência de Estados, autoridades de saúde pública (Organização Mundial da Saúde/OMS, Centros para Controle e Prevenção de Doenças, Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças) e especialistas do setor (Iata, Airports Council International, International Coordinating Council of Aerospace Industries).

O novo manual segue os comentários recentes do presidente do Comitê de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional da OMS, Dr. Didier Houssin, que prevê um papel para os testes como um meio de reabrir viagens internacionais sem medidas de quarentena. Após a reunião do Comitê de Emergência da OMS em 30 de outubro de 2020, ele afirmou que "claramente o uso dos testes terá muito maior uso em comparação com a quarentena, por exemplo, o que certamente facilitaria as coisas considerando todos os esforços que estão sendo feitos por companhias aéreas e por aeroportos”.

“O ímpeto está crescendo em apoio ao nosso apelo por testes sistemáticos para reabrir as fronteiras com segurança, sem medidas de quarentena. A ICAO, trabalhando com as autoridades de saúde e a indústria, produziu uma estrutura de alto nível. As autoridades de saúde estão começando a explorar como os testes podem substituir a quarentena para impedir a disseminação do vírus entre fronteiras. Os resultados encorajadores dos programas-piloto de teste devem agora dar aos estados a confiança para avançar rapidamente”, disse o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac.

ESTUDOS

Programas-piloto para testes para covid-19 de viajantes estão começando a produzir resultados encorajadores que comprovam sua eficácia, de acordo com a Iata.

  • Um estudo sobre passageiros que chegam em Toronto testou passageiros três vezes: na chegada, no dia 5 e no dia 14. Um por cento dos passageiros apresentou resultado positivo durante esse período, com 70% sendo detectados no primeiro teste. Em outras palavras, os resultados do estudo podem indicar o potencial de cerca de 60 em cada 2 mil viajantes passarem despercebidos na chegada, o que é significativamente menor do que a prevalência subjacente no Canadá.
  • Um programa de testes de pré-partida para a rota Milão/Linate-Roma/Fiumicino detectou cerca de 0,8% dos passageiros com covid-19. Como esse nível de incidência é consideravelmente mais alto do que a prevalência relatada de covid-19 na Itália na época, parece que não apenas o teste foi altamente eficaz na identificação de viajantes infectados, mas que o teste sistemático é a melhor maneira de detectar casos assintomáticos e quebrar cadeias de transmissão.
  • Um estudo europeu a ser publicado em breve é ainda mais otimista. Ele modela cenários para um mecanismo de teste altamente eficaz. Em um cenário de baixa prevalência, existe o potencial de ver o número de casos positivos não detectados em apenas 5 por 20 mil viajantes, aumentando para 25 em situações de alta prevalência. Esses níveis de incidência ainda são muito mais baixos do que a prevalência subjacente de covid-19 na Europa.
  • A Iata modelou os resultados dos testes para quantificar o risco que permaneceria se os testes sistemáticos antes da partida fossem implementados. Supondo que o teste identifique 75% dos viajantes corretamente que têm covid-19 (a eficácia do teste) de uma população de origem com uma prevalência de 0,8% da população (por exemplo, semelhante ao Chile), o risco é de 0,06% dos passageiros teria a doença e não seria detectado. Isso significaria 12 casos positivos não detectados para cada 20 mil passageiros que chegam.

Todos esses estudos apontam no sentido de os testes serem um meio eficiente de limitar a disseminação do covid-19 por meio de viagens aéreas. “Os dados mostram que os testes sistemáticos podem reduzir o risco de importação de covid-19 por meio de viagens a níveis muito baixos - não zero, mas muito baixos. Certamente, na maioria dos casos, isso reduziria o risco a níveis que significam que os passageiros que chegam têm menos probabilidade de serem infectados do que a população local e, portanto, não aumentam significativamente a prevalência de covid-19 na maioria dos lugares. A eficiência aumentará. Avanços em tecnologia estão acontecendo todos os dias e irão melhorar o desempenho dos testes”, afirmou de Juniac.

A Iata também está incentivando a velocidade e o foco na gestão de riscos. “Nossa mentalidade deve estar focada em gerenciar os riscos do vírus, mantendo o bem-estar geral da população. Isso seria uma mudança das políticas governamentais atuais inteiramente focadas na eliminação de riscos até que uma vacina esteja disponível e a qualquer custo para a vida e o sustento das pessoas. Mesmo com as recentes notícias encorajadoras, só em 2021 podemos esperar uma vacinação em grande escala. Enquanto isso, negar às pessoas a liberdade de mobilidade causará danos irreparáveis aos empregos e ao nosso modo de vida. Estratégias com testes baseados em risco oferecem um caminho que pode facilitar com segurança um renascimento econômico, beneficiando-se das recompensas de um mundo reconectado. Os governos poderiam reduzir ainda mais o risco, investindo em programas eficazes de rastreamento de contatos e monitoramento de saúde para isolar rapidamente qualquer potencial transmissão da comunidade. E pode até haver benefícios em controlar a doença por meio de testes em larga escala de viajantes que não apresentam sintomas”, disse de Juniac.

Avanços significativos na tecnologia de teste ajudarão os governos a implementar testes para viajantes sem comprometer a disponibilidade de testes diretamente relacionados ao setor de saúde, particularmente o teste de reação em cadeia da polimerase (PCR). Para que o teste seja incorporado ao processo de viagem, ele deve ser rápido, preciso, escalável, fácil de usar e acessível. Embora a Iata não recomende um tipo de teste específico, a precisão do relatório de laboratório para o teste rápido de antígeno (RAT) atende aos critérios mencionados acima. O estudo Oxford/Public Health England indica especificidade de 99,6% junto com sensibilidade muito alta para RAT.
Divulgação
88% dos viajantes estão dispostos a fazer o teste se isso permitir viajar
88% dos viajantes estão dispostos a fazer o teste se isso permitir viajar

PRATICIDADES

O teste é realizado por viajantes. Uma pesquisa da Iata revelou que 83% das pessoas não viajariam se fosse necessária a quarentena. Também mostrou que cerca de 88% dos viajantes estariam dispostos a fazer o teste se isso permitisse viajar. A mesma pesquisa também revelou que 65% acreditam que a quarentena não deve ser necessária se alguém der negativo para covid-19. “A opinião pública apoia o teste. Eles a veem como uma opção muito melhor em comparação à quarentena, que elimina as viagens. E eles se sentem confortáveis, pois se você for testado e for negativo, não precisará entrar em quarentena”, disse de Juniac.

Padrões globais são necessários para transformar os muitos pilotos de teste e “bolhas” em um reinício global do vôo internacional. Para apoiar isso, a Iata está desenvolvendo um guia prático de implementação para o Manual de Testes e Medidas de Gestão de Risco Transfronteiriço e o Iata Travel Pass para gerenciar as certificações de teste, uma das várias soluções em desenvolvimento para ajudar a gerenciar as certificações de teste

RAPIDEZ

A Iata recomenda uma ação rápida dos governos que trabalham com a indústria para implementar uma abordagem globalmente harmonizada e sistemática para os testes covid-19 no processo de viagens. A implementação de um regime de teste sistemático globalmente harmonizado para viagens internacionais complementaria as medidas já estabelecidas para manter os viajantes seguros.

Em junho, a ICAO publicou o Take-off: Guidance for Air Travel through the COVID-19 Public Health Crisis, que convida os governos a implementarem uma abordagem multicamadas para medidas sanitárias em todo o processo de viagem. O uso de máscaras é especialmente importante para os requisitos de decolagem, com um forte consenso entre estudos publicados recentemente sobre viagens aéreas e covid-19 apontando para o risco muito baixo de transmissão a bordo (Harvard, TRANSCOM).

“A segurança está no centro da aviação. Esta crise apenas reforçou esse compromisso. Tem havido um esforço inspirador por parte de governos, autoridades de saúde pública e entidades de aviação para garantir operações seguras, mesmo durante esta pandemia. As diretrizes de decolagem da ICAO são medidas práticas para proporcionar um ambiente seguro de saúde pública desde o check-in até a chegada. E os muitos avanços nos testes, incluindo a orientação da ICAO, são o que é necessário para abrir as fronteiras e, ao mesmo tempo, minimizar o risco de importação de covid-19”, completou de Juniac.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA