Números de passageiros aéreos devem se recuperar em 2024

|

Unsplash/Stefan Fluck
Iata espera que o número total de viajantes chegue a quatro bilhões em 2024, 103% do total de 2019
Iata espera que o número total de viajantes chegue a quatro bilhões em 2024, 103% do total de 2019
A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) espera que o número total de viajantes chegue a quatro bilhões em 2024 (contando as viagens de conexão multissetoriais como um passageiro), superando os níveis pré-covid-19 (103% do total de 2019).

As expectativas para a forma da recuperação de curto prazo mudaram ligeiramente, refletindo a evolução das restrições de viagem impostas pelo governo em alguns mercados. O quadro geral apresentado na última atualização da previsão de longo prazo da Iata, no entanto, permanece inalterado em relação ao esperado em novembro, antes da variante ômicron.

“A trajetória para a recuperação do número de passageiros da covid-19 não foi alterada pela ômicron. As pessoas querem viajar. E quando as restrições de viagem são suspensas, eles retornam aos céus. Ainda há um longo caminho a percorrer para se chegar a uma situação normal, mas a previsão para a evolução do número de passageiros dá bons motivos para estarmos otimistas”, disse o diretor geral da entidade, Willie Walsh.

A atualização de fevereiro para a previsão de longo prazo inclui os seguintes destaques:
  • Em 2021, o número geral de viajantes foi de 47% dos níveis de 2019. Espera-se que isso melhore para 83% em 2022, 94% em 2023, 103% em 2024 e 111% em 2025.
  • Em 2021, o número de viajantes internacionais foi de 27% dos níveis de 2019. Espera-se que isso melhore para 69% em 2022, 82% em 2023, 92% em 2024 e 101% em 2025.

Este é um cenário de recuperação internacional de curto prazo um pouco mais otimista em comparação com novembro de 2021, com base no relaxamento progressivo ou eliminação das restrições de viagem em muitos mercados. Isso viu melhorias nos principais mercados do Atlântico Norte e intra-europeus, fortalecendo a linha de base para a recuperação. Espera-se que a Ásia-Pacífico continue atrasada em relação à recuperação com o maior mercado da região, a China, não mostrando nenhum sinal de relaxamento de suas medidas de fronteira no futuro próximo.

Em 2021, o número de viajantes domésticos foi de 61% dos níveis de 2019. Espera-se que isso melhore para 93% em 2022, 103% em 2023, 111% em 2024 e 118% em 2025. As perspectivas para a evolução do número de viajantes domésticos são um pouco mais pessimistas do que em novembro. Embora os mercados domésticos dos EUA e da Rússia tenham se recuperado, o mesmo não acontece com os outros principais mercados domésticos da China, Canadá, Japão e Austrália.

“Os maiores e mais imediatos impulsionadores do número de passageiros são as restrições que os governos impõem às viagens. Felizmente, mais governos entenderam que as restrições de viagem têm pouco ou nenhum impacto a longo prazo na propagação de um vírus. E as dificuldades econômicas e sociais causadas por benefícios muito limitados simplesmente não são mais aceitáveis em um número crescente de mercados. Como resultado, a remoção progressiva das restrições está dando um impulso muito necessário às perspectivas de viagens”, disse Walsh.

A Iata também reiterou seu apelo para:
  • A remoção de todas as barreiras de viagem (incluindo quarentena e testes) para aqueles totalmente vacinados com uma vacina aprovada pela OMS;
  • Teste de antígeno antes da partida para permitir viagens sem quarentena para viajantes não vacinados;
  • Acelerar a flexibilização das restrições de viagem, reconhecendo que os viajantes não representam maior risco de disseminação da covid-19 do que já existe na população em geral.

VARIAÇÕES REGIONAIS

Nem todos os mercados ou setores de mercado estão se recuperando no mesmo ritmo. “Em geral, estamos caminhando na direção certa, mas há algumas preocupações. A Ásia-Pacífico é o retardatário da recuperação. Enquanto a Austrália e a Nova Zelândia anunciaram medidas para se reconectar com o mundo, a China não mostra sinais de relaxar sua estratégia de zero covid. Os bloqueios localizados resultantes em seu mercado doméstico estão deprimindo o número global de passageiros, mesmo que outros grandes mercados, como os EUA, tenham voltado ao normal”, disse Walsh.

Ásia-Pacífico: A lenta remoção de restrições de viagens internacionais e a probabilidade de novas restrições domésticas durante surtos de covid significam que o tráfego de/para/dentro da Ásia-Pacífico atingirá apenas 68% dos níveis de 2019 em 2022, o resultado mais fraco das principais regiões. Os níveis de 2019 devem ser recuperados em 2025 (109%) devido a uma lenta recuperação do tráfego internacional na região.

Europa: Nos próximos anos, espera-se que o mercado intra-europeu se beneficie das preferências dos passageiros para viagens de curta distância à medida que a confiança se recupera. Isso será facilitado por uma circulação cada vez mais harmonizada e livre de restrições na União Europeia. Espera-se que o número total de passageiros de/para/dentro da Europa atinja 86% dos valores de 2019 em 2022, antes de uma recuperação total em 2024 (105%).

América do Norte: Após um 2021 resiliente, o tráfego de/para/dentro da América do Norte continuará a ter um forte desempenho em 2022, à medida que o mercado doméstico dos EUA retorna às tendências pré-crise e com melhorias contínuas nas viagens internacionais. Em 2022, o número de passageiros atingirá 94% dos níveis de 2019, e a recuperação total é esperada em 2023 (102%), à frente de outras regiões.

África: As perspectivas de tráfego de passageiros na África são um pouco mais fracas no curto prazo, devido ao lento progresso na vacinação da população e ao impacto da crise nas economias em desenvolvimento. O número de passageiros de/para/dentro da África se recuperará de forma mais gradual do que em outras regiões, atingindo 76% dos níveis de 2019 em 2022, superando os níveis pré-crise apenas em 2025 (101%).

Oriente Médio: Com mercados limitados de curta distância, o foco do Oriente Médio na conectividade de longa distância por meio de seus hubs deve resultar em uma recuperação mais lenta. Espera-se que o número de passageiros de/para/dentro do Oriente Médio atinja 81% dos níveis de 2019 em 2022, 98% em 2024 e 105% em 2025.

América Latina: O tráfego de/para/dentro da América Latina tem sido relativamente resiliente durante a pandemia e prevê-se um forte 2022, com restrições de viagem limitadas e fluxos dinâmicos de passageiros na região e de/para a América do Norte. Prevê-se que o número de passageiros de 2019 seja superado em 2023 para a América Central (102%), seguida pela América do Sul em 2024 (103%) e Caribe em 2025 (101%).

RÚSSIA-UCRÂNIA

A previsão não calcula o impacto do conflito Rússia-Ucrânia. "Em geral, o transporte aéreo é resiliente a choques e é improvável que esse conflito afete o crescimento de longo prazo do transporte aéreo. É muito cedo para estimar quais serão as consequências de curto prazo para a aviação, mas é claro que existem riscos negativos, principalmente em mercados expostos ao conflito", comunicou a Iata.

Os fatores de sensibilidade incluirão a extensão geográfica, gravidade e período de tempo para sanções e/ou fechamento de espaço aéreo. Esses impactos seriam sentidos mais severamente na Rússia, Ucrânia e áreas vizinhas. Pré-covid-19, a Rússia era o 11º maior mercado de serviços de transporte aéreo em número de passageiros, incluindo seu grande mercado doméstico. A Ucrânia ficou em 48º lugar.

O impacto nos custos das companhias aéreas como resultado das flutuações nos preços da energia ou do redirecionamento para evitar o espaço aéreo russo pode ter implicações mais amplas. A confiança do consumidor e a atividade econômica provavelmente serão afetadas mesmo fora da Europa Oriental.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA