Iata pede que governos usem dados para gerenciar riscos

|

A Iata está estimulando os governos a tomarem decisões baseadas em dados para gerenciar os riscos da covid-19 ao reabrir fronteiras para viagens internacionais. Segundo a entidade, estratégias sem medidas de quarentena podem permitir o reinício de deslocamentos internacionais com baixo risco de disseminação da doença no destino em questão.

Unsplash/Mafid Majnun
Iata pede que governos usem dados para gerenciar riscos da covid-19
Iata pede que governos usem dados para gerenciar riscos da covid-19
“Os dados podem e devem orientar políticas para reiniciar viagens globais que gerenciam os riscos da covid-19 para proteger as populações, reviver meios de subsistência e impulsionar as economias. Convocamos os governos do G7 para chegar a um acordo sobre o uso de dados para planejar e coordenar com segurança o retorno da liberdade de viajar, que é tão importante para as pessoas, meios de subsistência e negócios”, diz o diretor geral da associação, Willie Walsh.

VIAJANTES VACINADOS
As evidências continuam a mostrar que a vacinação protege os viajantes de doenças graves e morte e traz um baixo risco de introdução do vírus nos países de destino:
  • O Instituto Robert Koch (RKI) concluiu que os viajantes vacinados não são mais significativos na disseminação da doença e não representam um grande risco para a população alemã
  • O Centro Europeu para Controle e Prevenção de Doenças (ECDC) emitiu orientações provisórias sobre os benefícios da vacinação completa, afirmando que "a probabilidade de uma pessoa vacinada infectada transmitir a doença é atualmente avaliada como muito baixa a baixa"
  • Os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) declararam que “com uma vacina 90% eficaz, o teste pré-viagem, pós e a auto-quarentena de 7 dias fornecem um benefício adicional mínimo”
  • O Painel Consultivo Canadense de Especialistas em Testes e Triagens recomenda que os viajantes vacinados não precisem ser colocados em quarentena
  • Um estudo da Public Health England concluiu que duas doses das vacinas contra a covid-19 são altamente eficazes contra as variantes preocupantes

TESTE PARA NÃO VACINADOS
Um desafio é o potencial de barreiras para viajar para pessoas não vacinadas, o que criaria uma exclusão inaceitável. Dados do NHS do Reino Unido sobre viajantes internacionais que chegam ao Reino Unido (sem referência ao status de vacinação) mostram que a maioria dos passageiros não apresenta risco de introdução de casos após a chegada.

  • Entre 25 de fevereiro e 5 de maio, 365.895 testes foram realizados na chegada de passageiros ao Reino Unido. Estes foram PCR negativos antes da viagem. Apenas 2,2% testaram positivo durante as medidas de quarentena universal após a chegada. Destes, mais da metade eram de países da “lista vermelha”, que foram considerados de risco muito alto. Retirá-los das estatísticas resultaria em uma positividade do teste de 1,46%
  • Das 103.473 chegadas da UE (excluindo a Irlanda), 1,35% tiveram resultado positivo. Três países, Bulgária, Polônia e Romênia, foram responsáveis por 60% dos casos positivos

Nenhuma ação governamental isolada pode levar à recuperação das viagens internacionais. Os ministros do Turismo do G20 endossaram uma abordagem baseada em dados para reabrir as fronteiras. A indústria da aviação está encorajando o G7 a assumir a liderança, concordando em trabalhar juntos para usar a enorme quantidade de dados coletados desde o início da covid-19 para impulsionar um esforço de recuperação. Isso deve restaurar a liberdade de viajar para pessoas testadas ou vacinadas, evitando medidas de quarentena para a grande maioria dos viajantes.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA