Ocupação hoteleira no Brasil tem queda de 59% em setembro

|


Reprodução
De janeiro a setembro, a hotelaria brasileira apresentou queda de -50,3% na taxa de ocupação
De janeiro a setembro, a hotelaria brasileira apresentou queda de -50,3% na taxa de ocupação
O Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (Fohb) acaba de divulgar a mais recente pesquisa "Oferta de Disponibilidade Hoteleira", realizada com redes hoteleiras entre os dias 2 a 8 de novembro. Dos 876 hotéis entrevistados, 93% já foram reabertos. Dos 7% que ainda permanecem fechados, 17,9% esperam reabrir em novembro, 10,3% em dezembro e 59,3% em 2021. No entanto, 12,5% dos empreendimentos ainda não têm previsão de reabertura.

Nesta semana, Curitiba, Manaus e São Paulo apresentam mais de 90% de suas unidades habitacionais (UH's) abertas. Segundo o levantamento, Rio de Janeiro ainda lidera o ranking das cidades com o maior número de hotéis fechados (21,46%), seguida por Belo Horizonte (15,83%), Salvador (15,67%) e Vitória (11,95%). Já Brasília, Campinas (SP), Florianópolis e Porto Alegre permanecem com 100% de suas UH's reabertas.

Na análise por região, Centro-Oeste, Norte e Nordeste mantiveram seus percentuais de 6%, 9% e 11%, respectivamente. Já a região Sudeste apresentou queda de 11% para 10% e a Sul, de 4% para 2%. Em relação às categorias, Econômico e Midscale mantiveram o índice de 9% da semana anterior, enquanto Upscale caiu de 9% para 8%.

HOTELARIA EM SETEMBRO

De acordo com a 158ª edição do InFOHB, os resultados registraram decréscimos nos três indicadores analisados em setembro: -59% na taxa de ocupação, -16,9% na diária média e -66,4% no RevPAR. Na performance por região, a taxa de ocupação revelou quedas em todas as localidades: -61,7% no Sudeste, -60,9% no Sul, -55,6% no Centro-Oeste, -55% no Nordeste e -46,6% no Norte. A diária média também apontou percentuais negativos: -20,3% no Sudeste, -12,9% no Centro-Oeste, 12,3% no Sul, 10,3% no Norte e -2,8% no Nordeste. Já no RevPAR, houve queda de -69,5% no Sudeste, -65,7% no Sul, -61,3% no Centro-Oeste, -56,3% no Nordeste e -52,1% no Norte.
Na análise de desempenho por categoria hoteleira, a taxa de ocupação registrou queda em todas as categorias, com -60,7% no Econômico, -56,7% no Midscale e -64,1% no Upscale. Na diária média, também houve decréscimos nas três categorias: -11,4% no Econômico, -16,9% no Midscale e -19,8% no Upscale. No RevPAR, foram registrados percentuais negativos de -65,2% no Econômico, -64% no Midscale e -71,2% no Upscale.

JANEIRO A SETEMBRO DE 2020

Analisando os dados acumulados de janeiro a setembro, houve queda de -50,3% na taxa de ocupação, -2,4% na diária média e -51,5% no RevPAR, comparado ao mesmo período de 2019. Quanto à analise por região, a taxa de ocupação registrou decréscimo em todas as localidades, variando entre -52,5% (Sul) e -42,1% (Norte). Na diária média, as regiões Centro-Oeste, Sudeste, Norte e Sul apresentaram queda de -6,8%, -3,3%, -2,8% e -0,6%, respectivamente. Já a região Nordeste obteve acréscimo de 6,3%. Para o indicador de RevPAR, houve variações negativas em todas as regiões: Centro-Oeste (-53,4%), Sudeste (-53,1%), Sul (-52,8%), Norte (-43,7%) e Nordeste (-41,7%).

Na análise por categoria hoteleira, foram registradas apenas quedas na taxa de ocupação: -50,5% no Econômico, -49,2% no Midscale e -53,3% no Upscale. Na diária média, também houve decréscimos em todas as categorias: Econômico (-1,1%), Midscale (-3,5%) e Upscale (-1,5%). No RevPAR, percentuais negativos de -51,1% no Econômico, -51% no Midscale e -54% no Upscale.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA