Para onde está indo a hotelaria? Respostas na entrevista exclusiva

|


Divulgação
Orlando de Souza, presidente do Fohb
Orlando de Souza, presidente do Fohb
Pesquisa global da GBTA aponta uma recuperação do setor de viagens corporativas somente em 2025. Algumas previsões indicam que um terço desse segmento não volta mais. Some-se a isso um ano em que provavelmente as viagens internacionais seguirão bastante limitadas (ou seja, menos estrangeiros no Brasil) e uma vacinação lenta que deve atrasar a volta dos eventos e temos um cenário ainda bastante preocupante para a hotelaria, especialmente a de rede, dependente de eventos e do corporativo.

Especialistas da hotelaria e do setor de eventos, como Orlando de Souza, presidente do Fohb, e Daniel Pereira, gerente de Produto da Equipotel, da Reed Exhibitions respectivamente, deram entrevista exclusiva à Revista PANROTAS e responderam se concordam com essas previsões ou se veem algo mais promissor no Brasil. Também disseram como os hotéis devem enfrentar esse ano ainda cheio de restrições e limitações.

Divulgação
Daniel Pereira executivo da Reed Exhibitions, gerente de Produto da Equipotel
Daniel Pereira executivo da Reed Exhibitions, gerente de Produto da Equipotel
O que é possível fazer hoje para o corporativo? Que tipo de eventos? Que tipo de produtos no hotel? Como a hotelaria abraçou tendências como o staycation, o room office e o desejo de escapadas que podem unir lazer e trabalho ainda em isolamento?

Veja abaixo a previsão dos dois executivos para os próximos meses:

ORLANDO DE SOUZA – A pandemia nos ensinou que todas as previsões, por enquanto, são mais palpites do que previsões. Mas após esses dez meses podemos dizer que, para o setor de viagens corporativas, incluída aí a hotelaria, o primeiro semestre de 2021 vai ser tão ruim quanto o foi o semestre passado. Certamente esse setor está refém da vacina, pois é a única ferramenta que poderá virar a chave para um período de retomada. Quando vai começar a retomada de fato? De novo podemos ser desmentidos pela pandemia, mas arrisco dizer que não será em 2021, que considero o ano da vacinação, e o ano em que os hotéis terão que trabalhar para sobreviverem – os que conseguirem – e também sobreviverem com algum grau de consistência, para que , talvez, a partir de 2022 começarem de fato um processo de retomada. Não acho que será só em 2025, mas não será antes de 2023.

DANIEL PEREIRA – Acredito que uma das formas de retomada e recuperação de qualquer economia, principalmente a do Brasil, passa pelo Turismo. Somos uma nação que vem se adaptando e se reerguendo das crises já faz algum tempo, respeito os dados globais, mas enxergo que a cadeia produtiva do setor tem se mostrado muito resiliente a uma perspectiva de retomada ainda este ano, principalmente no Turismo interno. Na minha visão, o brasileiro buscará mais opções internas de viagens nos próximos anos.

Os especialistas não fugiram de nenhuma das 15 questões da Revista PANROTAS e você acompanha uma por uma na leitura da edição digital, que pode ser acessada aqui:
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA