Tarifa e mão de obra estão entre os desafios imediatos dos hotéis

|


PANROTAS / Emerson Souza
Roberto Gracioso, um dos diretores da ABIH-SP
Roberto Gracioso, um dos diretores da ABIH-SP
Numa das atrações da manhã, o 1° Encontro Anual da ABIH-SP, apresentou um estudo recente apurado pela própria associação em relação aos hotéis associados. O levantamento, que foi apresentado por Roberto Gracioso, um dos diretores da entidade, mostrou que os maiores desafios de momento para os meios de hospedagem são: guerra tarifária, distribuição multicanal e ter mão de obra qualificada.

O trio de desafios imediatos enumerado pelo levantamento é resultado de um horizonte fortemente afetado pela pandemia. De acordo com os números apresentados por Gracioso, a força de trabalho gerada por hotéis caiu mais de 50% no último ano e meio. "Esses profissionais deixaram o setor e já se recolocaram em outro mercados deixando lacunas que precisam ser preenchidas por trabalhadores igualmente qualificados e isso é um dos nossos desafios principais", apontou o palestrante.

Sobre os outros entraves que precisam ser superados, a pesquisa da ABIH lembra que para os próprios hotéis não vale a pena entrar num movimento de guerra tarifária. "Se corre o risco de baixar o preço cobrado aos clientes e não faturar o suficiente para ter uma operação sustentável. Isso acaba desequilibrando o mercado", argumentou.

Gracioso também chamou a atenção para a escolha precisa dos canais de distribuição e comentou que essa escolha pode ser a diferença para o êxito na retomada. "Também é um desafio extra para os hotéis construir um maneiras de fidelizar o cliente e não o canal", completou.

NÚMEROS E TENDÊNCIAS
O palestrante trouxe também alguns dados recolhidos pela associação. Segundo esses números, atualmente, há cerca de 5,25% de UHs que ainda estão inoperantes no Estado devido às restrições impostas pela pandemia. Calculando a performance das propriedades em operação, a média de ocupação em outubro ficou em 50% com tendência de alta para os próximos meses.

Junto aos números já coletados, Gracioso também apontou alguns oportunidades. De acordo com ele, os hotéis tiraram vantagem do crescimento do trabalho em formato home office e homeschooling. A demanda por hotéis de clientes que estão trabalhando ou estudando em casa cresceu 55%.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA