Receita da Accor aumenta 97% no 1º semestre em relação a 2021

|

Divulgação/Accor Hotels
Sébastien Bazin, presidente e CEO da Accor
Sébastien Bazin, presidente e CEO da Accor
Os negócios do grupo Accor se recuperaram significativamente no primeiro semestre de 2022 após dois anos de grandes interrupções relacionadas à pandemia no setor de Turismo e hospitalidade. No segundo trimestre de 2022, a atividade recuperou para níveis próximos, se não superiores, aos níveis de 2019 em quase todo o mundo. Os únicos retardatários foram a China, que é impactada por restrições de viagem como parte de sua estrita aplicação de uma política de “zero-Covid”, e o Sudeste Asiático, que é altamente dependente de visitantes chineses.

“Mais uma vez neste trimestre, a Accor relatou um crescimento muito forte nos negócios, superando os níveis pré-crise pela primeira vez. Isso marcou uma recuperação em todas as regiões e para todas as nossas marcas. O verão confirmará essas tendências e o outono promete ser forte com a retomada dos grandes seminários e convenções. Não obstante, o grupo mantém-se atento à evolução da conjuntura geopolítica e econômica. Nesta fase, o grupo deverá apresentar um forte crescimento do Ebitda, com uma meta de mais de 550 milhões de euros para todo o ano de 2022”, afirmou o presidente e CEO da Accor, Sébastien Bazin.

Essa recuperação reflete tanto a recuperação do número de hóspedes domésticos de negócios e lazer, quanto as reaberturas de fronteiras que aceleraram o retorno de viajantes internacionais. Foi acompanhada ainda por um forte aumento dos preços, impulsionado pela demanda e acentuado pela inflação.

Durante o primeiro semestre de 2022, a Accor inaugurou 85 hotéis, representando 11,7 mil quartos, ou seja, crescimento líquido do sistema de 1,8% nos últimos 12 meses. No final de junho de 2022, o grupo tinha uma carteira hoteleira de 777.945 quartos (5,3 mil hotéis) e um pipeline de 212 mil quartos (1.215 hotéis).

Para 2022, o grupo confirma a sua previsão de crescimento unitário líquido da rede na ordem dos 3,5%.

RECEITA CONSOLIDADA
O grupo registrou receita no primeiro semestre de 2022 de 1.725 milhão de euros, um aumento de 97% em comparação com o primeiro semestre de 2021. Por atividade, esse crescimento se divide em um aumento de 119% para HotelServices e 57% para Hotel Assets & Other. Para fornecer uma comparação com o RevPAR (alteração apresentada em relação a 2019 ao longo desta versão), o declínio comparável na receita em relação ao primeiro semestre de 2019 é de 10%.

As alterações no âmbito de consolidação, principalmente devido à consolidação da Ennismore, e a reabertura do Pullman Montparnasse contribuíram positivamente com 31 milhões de euros. Os efeitos cambiais tiveram um impacto positivo de 69 milhões de euros, principalmente devido ao dólar americano.

RECEITA DE SERVIÇOS HOTELEIROS
A HotelServices, que inclui taxas de Management & Franchise (M&F) e Serviços para Proprietários, registrou 1.276 milhão de euros em receita, um aumento de 119% em comparação ao primeiro semestre de 2021 (queda de 12% em relação ao primeiro semestre de 2019). Este aumento reflecte a significativa recuperação verificada no primeiro semestre do ano.

Receita em Gestão e Franquia (M&F) situou-se em 434 milhões de euros, um aumento de 153% face ao 1º semestre de 2021 (redução de 15% face ao 1º semestre de 2019), com desempenhos regionais correlacionados com a recuperação do negócio nos países considerados. Em geral, a queda um pouco mais acentuada na receita de M&F em comparação com o RevPAR (queda de 11% no primeiro semestre de 2022 versus o primeiro semestre de 2019) pode ser atribuída à redução nas taxas de incentivo com base na margem operacional do hotel gerada pelos contratos de gestão.

RevPAR Consolidado caiu 11% no primeiro semestre de 2022 em relação ao primeiro semestre de 2019 e aumentou 1% no segundo trimestre de 2022 em relação ao segundo trimestre de 2019. Esses números refletem uma melhora sequencial mês após mês nos negócios com um forte aumento nos preços, impulsionado pela demanda e enfatizado pela inflação. Portanto, a atividade atingiu níveis próximos ou até superiores aos níveis de 2019 em quase todas as regiões no segundo trimestre.

No segundo trimestre de 2022, o RevPAR no sul da Europa estava 2% acima do nível do segundo trimestre de 2019.

  • Na França, o RevPAR do segundo trimestre de 2022 ficou 3% acima do nível do segundo trimestre de 2019. A recuperação dos viajantes internacionais ajudou Paris a fechar a lacuna com a província, ambas agora acima do nível de 2019 no segundo trimestre. Os preços foram superiores aos do mesmo período de 2019, com uma combinação favorável de eventos públicos em maio (final da UEFA Champions League, Torneio Roland-Garros, etc).
  • Na Espanha, o RevPAR aumentou 2% no segundo trimestre de 2022 em relação ao segundo trimestre de 2019.

No segundo trimestre de 2022, o RevPAR no norte da Europa caiu 7% em relação ao segundo trimestre de 2019, mas os negócios melhoraram sequencialmente mês após mês.

  • No Reino Unido, a força da recuperação foi comparável à observada na França. Tanto Londres quanto a província se recuperaram para níveis de RevPAR acima dos do segundo trimestre de 2019.
  • Na Alemanha, que levou mais tempo para suspender suas restrições sanitárias relacionadas à crise do Covid, os negócios se recuperaram em um ritmo mais lento. Ainda assim, em junho, o desempenho do RevPAR do país se aproximou dos níveis registrados nos países vizinhos.

O RevPAR continuou a melhorar sequencialmente na Ásia-Pacífico (+25 pontos percentuais entre o primeiro trimestre de 2022 e o segundo trimestre de 2022). Caiu 18% no segundo trimestre de 2022 em relação ao segundo trimestre de 2019.

  • Ásia Pacífico confirmou a recuperação já vista no primeiro trimestre de 2022 e encerrou o segundo trimestre com alta de 9% em relação ao segundo trimestre de 2019. A reabertura das fronteiras internas e externas desde o final de 2021 acelerou essa recuperação.
  • A China teve uma leve recuperação mês após mês nos negócios no segundo trimestre de 2022. No entanto, as restrições implementadas como parte da aplicação estrita de sua política de “zero-covid” afetaram negativamente seu desempenho e resultaram em um declínio de 38% no RevPAR contra o segundo trimestre de 2019.
  • No Sudeste Asiático, o RevPAR caiu 31% no segundo trimestre de 2022 em relação ao segundo trimestre de 2019. Embora as principais restrições de viagem tenham sido levantadas, a dependência da região dos visitantes chineses teve um impacto adverso na velocidade de recuperação.

Na região da Índia, Oriente Médio, África e Turquia, a recuperação do RevPAR, que superou o nível de 2019 (+32% no segundo trimestre de 2022), foi confirmada pelo terceiro trimestre consecutivo.

  • Os Emirados Árabes Unidos continuaram a ter um desempenho superior após um forte primeiro trimestre impulsionado pela Expo 2020 mundial.
  • Na Arábia Saudita, a reabertura mais ampla das cidades sagradas para peregrinações levou a uma forte recuperação da atividade, principalmente durante o período de abril do Ramadã. Essa recuperação também deve continuar com o Hajj em julho.

Nas Américas, o RevPAR do segundo trimestre de 2022 foi 5% maior do que no segundo trimestre de 2019.

  • Na América do Norte/Central e Caribe, o RevPAR ficou em linha com os níveis de 2019 no segundo trimestre de 2022, impulsionado por um forte aumento nos preços.
  • Na América do Sul, e particularmente no Brasil, a recuperação nos volumes de negócios foi notavelmente impressionante, com taxas de ocupação acima do nível de 2019 ao longo do segundo trimestre de 2022.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA