Gol, Accor e Costa debatem ações sustentáveis na WTM

|


Reprodução
Artur Andrade, da PANROTAS, mediou o painel que contou com a participação de Antonietta Varlese, da Accor, Cintia Carlotti, da Costa Cruzeiros, e Loraine Ricino, da Gol
Artur Andrade, da PANROTAS, mediou o painel que contou com a participação de Antonietta Varlese, da Accor, Cintia Carlotti, da Costa Cruzeiros, e Loraine Ricino, da Gol
WTM Latin America e PANROTAS reuniram executivas dos segmentos de cruzeiros, hotelaria e aviação para saber como as empresas estão investindo e tratando o tema Sustentabilidade e Turismo. No painel, que durou pouco menos de uma hora, Loraine Ricino, diretora de Marketing e Sustentabilidade da Gol, Antonietta Varlese, VP de Comunicação e Sustentabilidade da Accor, e Cintia Carlotti, gerente de Marketing da Costa Cruzeiros, falaram sobre as ações práticas tomadas por cada uma das empresas e como elas podem inspirar outras companhias a agirem no sentido de dar protagonismo para iniciativas que levantem a bandeira da sustentabilidade no setor.

O debate foi conduzido por Artur Andrade, editor chefe da PANROTAS, que já iniciou a conversa questionando as participantes sobre como as empresas atuam para se tornar mais sustentáveis.

Vice presidente sênior de Comunicação e Responsabilidade Social da Accor América do Sul, Antonietta Varlese, começou lembrando que, na forma como a empresa trabalha atualmente, o momento da construção já passa a ser determinante. “Na Accor a gente atua a partir de uma construção que seja sustentável. Buscando materiais mais corretos ambientalmente e minimizando o impacto que essa construção terá no local”, afirma.

Reprodução
Antonietta Varlese, da Accor
Antonietta Varlese, da Accor
De acordo com a executiva, essa forma de trabalhar já se tornou padrão nos projetos da empresa e é compreendida bem pelos parceiros e investidores. “Temos um custo mais elevado no início, mas ao longo do caminho se mostra mais rentável”, diz. Essa rentabilidade, segundo ela, se prova quando o hotel já está em operação e começa a ter bons resultados de práticas como uso eficiente de água e energia, além de menos emissões de CO2.

Vale lembrar que a Accor concluiu recentemente um relatório constatando a redução de aproximadamente 5,3 mil toneladas na emissão de CO2 na atmosfera com a operação de seus hotéis no Brasil.

COMBUSTÍVEL SUSTENTÁVEL
Na Costa Cruzeiros, segundo lembra a gerente de Marketing, Cintia Carlotti, desde 2019, há embarcações que funcionam movidas a gás natural liquefeito (GNL), a mais avançada tecnologia da indústria marítima disponível para a redução de poluentes. A adoção desse tipo de operações é considerada pela gestão da companhia como um passo fundamental para diminuir emissões.

Reprodução
Cintia Carlotti, da Costa Cruzeiros
Cintia Carlotti, da Costa Cruzeiros
“Temos também um relatório anual no qual informamos estratégias de desenvolvimento sustentável a serem alcançdas. Em 2019 reduzimos 40% a emissões de CO2, uma meta que foi alcançada um ano antes do planejado”, pontua a gerente. De acordo com ela, o objetivo da Costa é atingir 0 emissões em todas as operações e converter os navios da frota em cidades inteligentes, que funcionem sem utilizada de produtos de plástico e descartáveis.

RENOVAÇÃO E COMPREENSÃO
Já para a diretora de Marketing, Comunicação Externa, Canais Digitais e Sustentabilidade da Gol, Loraine Ricino, é fundamental lembrar que a aérea já nasceu com a consciência dos problemas ambientais intrínsecos ao mundo atual e da sua atividade como empresa.

“Por isso estamos sempre em busca de evolução”, garante. “Estamos buscando aviões que gerem menor impacto, combustíveis mais eficientes e uma frota melhor escolhida, que dê maior eficiência ao combustível consumido”, completa.

Reprodução
Loraine Ricino, da Gol
Loraine Ricino, da Gol
De acordo com Loraine, esse pensamento é a base para uma atuação consciente mas há muito mais a ser feito. Segundo comenta a executiva, a companhia segue buscando uma série de certificações que comprovem o baixo impacto do seu trabalho e tem como meta ter balanço 0 de emissão de poluentes até 2050.

AÇÕES PRÁTICAS
As convidadas do painel também deram exemplos de ações práticas que as respectivas companhias desenvolvem. Nesse detalhamento, Cintia informou que a Costa tem uma fundação com mais de 29 projetos de auxílio a comunidades com as quais interage e assinou um manifesto se comprometendo a trabalhar de forma social e econômica beneficiando essas localidades.

A armadora de cruzeiros destina as sobras de alimentos não utilizados em barcos para essas comunidades e fomenta o Turismo local nesses lugares levando viajantes.

Na Accor, conforme lembra Antonietta, existe o projeto Solidariza Accor e uma verba global destinada a apoiar entidades, ONGs e empresas que trabalham com capacitação profissional de jovens, além de financiar ações ambientais.

“Outra ação recente é uma feita com a Avon apoiando mulheres que sofrem com violência domestica. Elas são acolhidas e hospedadas em nossos hotéis pelo brasil”, cita.

Loraine, da Gol, lembra que a empresa tem trabalhado com mais de 50 ONGs que são apoiadas com passagens e voluntariado. A empresa também tem nessa relação uma maneira de aprender melhor sobre as causas defendidas por essas organizações e assim incorporar novas visões a seu modo de lidar com questões sociais.

O painel sobre sustentabilidade é uma parceria da PANROTAS, que organizou e mediou o conteúdo, com a WTM, que coordenou a gravação e colocou na grade oficial de palestras e painéis.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA