2020 foi o pior ano para chegadas internacionais à Europa

|

À medida que a pandemia de covid-19 entra no seu segundo ano, o impacto generalizado continua a pesar nos destinos europeus e na economia do Turismo em geral. A edição mais recente do relatório trimestral European Tourism Trends & Prospects, da European Travel Commission (ETC), continua a monitorar a crise no setor e examina como a atividade de viagens deve retornar em 2021 em meio à atual onda de infecções e o lento início dos programas de vacinação.

Divulgação
2020 foi o pior ano para chegadas internacionais à Europa em 30 anos, segundo relatório da ETC
2020 foi o pior ano para chegadas internacionais à Europa em 30 anos, segundo relatório da ETC
As chegadas de turistas internacionais à Europa caíram 70% em 2020 em comparação com 2019. Apesar dos desafios de distribuição que atormentaram a UE nas últimas semanas, o lançamento de vacinas em todo o continente, melhores testes e os regimes de rastreamento fornecem alguma esperança para o relaxamento das restrições às viagens em 2021. No entanto, o retorno aos padrões típicos de demanda de viagens internacionais será gradual, com os níveis de 2019 previstos para retornarem em 2023.

“Acreditamos que o lento reinício das viagens pode ser esperado na primavera em toda a Europa, com um retorno gradual à nova normalidade ao longo do verão e outono deste ano. A retomada, no entanto, acontecerá com novos hábitos de consumo, exigindo forte adaptação e respostas ágeis do setor de Turismo. Garantir oportunidades de viagens seguras deve se tornar uma prioridade para os destinos, já que os viajantes em potencial provavelmente viajarão mais devagar, mais perto de casa e a destinos menos conhecidos”, diz o diretor executivo da ETC, Eduardo Santander.

Todos os destinos europeus relatados experimentaram quedas recordes nas chegadas entre 51% e 85% em 2020, com um em cada três registrando quedas de 70% a 79%. Ao se aprofundar nos países que dependem fortemente dos mercados internacionais, os resultados são ainda mais evidentes, com Montenegro (Balcãs) registrando um declínio de 85%, Chipre de 84% e Romênia de 83%. Na Espanha, onde o Turismo é responsável por 12% do PIB, a perda de chegadas de seus principais mercados (Reino Unido, Alemanha, França, Holanda e Itália) fez com que o país registrasse uma queda de 77% no desembarque de turistas internacionais.

Na outra extremidade do espectro, a Áustria (-53%) registrou uma das menores quedas nas chegadas, onde uma maior dependência de viagens de curta distância permitiu ao país se beneficiar de algumas viagens em 2020. No entanto, o aumento das taxas de infecção nas últimas semanas levou a Áustria a introduzir uma proibição geral do Turismo no início de 2021.

IMPACTO NAS INDÚSTRIAS
O setor de hospitalidade tem sido um dos mais afetados, com uma queda na demanda fazendo com que muitos hotéis permanecessem fechados durante a maior parte de 2020, registrando uma diminuição de 54% nos níveis de ocupação. Uma flexibilização mais rápida das restrições para viagens domésticas e uma maior demanda dos residentes por viagens locais forneceram algum suporte aos hotéis que permaneceram abertos. Porém, uma segunda onda interrompeu a recuperação.

Quanto à indústria aérea, as esperanças de uma leve recuperação em 2021 foram frustradas com a reintrodução de bloqueios em toda a Europa, como resultado do aumento de casos durante o inverno do ano passado. A última previsão internacional da Iata prevê que a Europa será a região mais afetada neste ano em termos de perdas aéreas, com uma queda projetada de US$ 11,9 bilhões. Os dados acumulados no ano mostram quedas para um mínimo histórico no tráfego de passageiros aéreos na Europa (-69,3%).

VIAGENS CORPORATIVAS NA EUROPA PÓS-PANDEMIA
A pandemia proporcionou uma oportunidade de reavaliar as práticas de trabalho e a gestão das relações comerciais e, em particular, das viagens a negócios. Isso resultou em apelos às empresas para que se tornassem mais conscientes do impacto ambiental de suas viagens, levantando questões sobre se os deslocamentos a trabalho algum dia retornarão aos níveis anteriores à covid-19.

O relatório indica que as previsões sobre o colapso das viagens corporativas provavelmente não se concretizarão, já que as reuniões pessoais continuarão sendo um princípio fundamental das relações comerciais. Uma pesquisa encomendada pela SAP Concur em meados de 2020 destacou a importância do contato face a face, com 92% dos viajantes esperando que sua companhia experimente resultados negativos devido às restrições de viagens, incluindo um número reduzido de negócios ou contratos assinados e declínios em novas oportunidades. O retorno das viagens corporativas internacionais aos níveis anteriores ao coronavírus é esperado até 2024, com as nacionais se recuperando mais rapidamente, em 2023.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA