Como as Bahamas se prepararam para a retomada e já colhem frutos

|

Divulgação/Bahamas
A pandemia de covid-19 não escolheu que destinos turísticos iria poupar ou quais sofreriam menos os impactos da crise por ela instalada.

Mas os destinos, esses sim, tinham em suas mãos algumas decisões importantes que seriam decisivas na retomada das viagens: rapidez na resposta à crise, um plano emergencial de combate ao vírus, protocolos padronizados e bem definidos, união do governo com a iniciativa privada, plano de auxílio e recuperação econômica, monitoramento de índices da crise, programa claro de retomada e investimentos em diversas áreas.

Alguns tiveram mais êxito que outros e estão colhendo primeiro os frutos da vacinação e da consequente busca por viagens.

Ainda na semana passada, as Bahamas anunciaram que, a partir de maio, turistas vacinados não precisarão mais realizar e exibir o teste negativo de covid-19 no embarque para o país. Mas para chegar até aqui, o caminho foi longo.

Divulgação/Bahamas
O diretor geral do Ministério de Turismo e Aviação das Bahamas, Ellison Tommy Thompson
O diretor geral do Ministério de Turismo e Aviação das Bahamas, Ellison Tommy Thompson
O diretor geral do Ministério de Turismo e Aviação das Bahamas, Ellison Tommy Thompson, conversou com o Portal PANROTAS, sobre a trajetória vencedora do destino.

A primeira medida ligada ao setor de Viagens foi o Plano de Preparação do Turismo, em parceria com a iniciativa privada. Enquanto outros órgãos do governo combatiam a pandemia, o Ministério do Turismo foi o elo de ligação com todos os setores da cadeia produtiva turística. Foram criados subcomitês para cada segmento e realizados treinamentos virtuais para que todos os pontos de contato nas ilhas estivessem prontos, sabendo todos os protocolos e preparados para a retomada.

“Quem chega hoje nas Bahamas vê o resultado desses procedimentos. Todos os profissionais e empresas seguindo os protocolos criados”, disse o diretor do ministério.

Outra medida importante foi a implantação de um visto de saúde (Bahamas Health Visa), obrigatório para todos os visitantes e que deve ser preenchido e pago on-line. O visto inclui um seguro viagem para o visitante e custa entre US$ 50 e US$ 70, dependendo do número de noites no destino. O teste PCR negativo contra covid também é parte das obrigatoriedades e pode ser feito até cinco dias antes do embarque. O site do ministério tem uma lista de laboratórios aprovados e recomendados para os testes no Exterior.

Com os protocolos preparados, empresas treinadas e procedimentos implementados foi a hora de ver produtos e infraestrutura, vacinar os profissionais de Turismo e negociar a volta de navios e voos.

Divulgação/Bahamas
ACESSO

As ligações aéreas voltaram com mais rapidez para os Estados Unidos, com voos da Flórida (Miami e Fort Lauderdale), Atlanta, Charlotte, Filadélfia e Nova York, de companhias como American, Jet Blue, Silver, Frontier e Delta.

Os voos para a Europa ainda não retornaram, com previsão de reinício em maio, com a British Airways. Para o Canadá, a data tentativa é julho.

A América Latina geralmente se conecta via Miami ou Panamá, e a Copa Airlines, que realizou voos extras durante a semana da Páscoa, voltará com voos regulares em junho.

Por via marítima, o segmento de iates privativos é muito grande para as Bahamas e muitos turistas da Flórida alugam ou fazem o percurso com seus próprios barcos. Chegando em Nassau, podem percorrer as demais ilhas e ter o conforto de marinas privativas. “As famílias ou amigos chegam em suas próprias bolhas e continuam nelas no destino, com seus barcos levando os visitantes para outras ilhas além de Nassau e Paradise Island”, explica Ellison Tommy Thompson.

Os navios também estão voltando e a Crystal Cruises e a Royal Caribbean (incluindo a Celebrity Cruises) terão saídas regulares de Nassau, sendo que a primeira oferecerá pacotes pré e pós-cruzeiro a seus clientes e a segunda fará um roteiro apenas pelas ilhas das Bahamas. A economia local agradece.

Há negociação com outras empresas de cruzeiros, mas o diretor do Ministério do Turismo faz mistério sobre que companhias procuraram o governo das Bahamas para também terem navios no próximo verão. “Esses navios estão trazendo mais oportunidades de empregos e negócios para as comunidades das Bahamas”, diz Thompson.

ALÉM DE NASSAU
A representante das Bahamas no Brasil, Juanita Gomez, da TM Latin American, diz que já se sente uma mudança nas buscas dos visitantes brasileiros. “Já vemos pontualmente algumas chegadas de brasileiros, alguns em jatos executivos, e nas consultas que recebemos dos agentes de viagens, há muita procura por ilhas mais tranquilas e privativas. Eles querem saber o que fazer além e Nassau”, explica ela, que cita, além de Nassau e Paradise Island, ilhas como Grand Bahama (Freeport), Exumas, Eleuthera & Harbour Island e Andros. Muitas voltadas ao luxo e à privacidade total.

Bahamas quer ser o destino da escapada de turistas de todo o mundo e se preparou para isso. Chegando em voo comercial, iate, megaiate, jatinhos privativos ou de navio, são muitas as opções para relax e luxo ou somente para diversão.

SERVIÇO
Para solicitar visto e obter informações do destino: https://www.bahamas.com/pt/tourism-reopening
Laboratórios aprovados: http://acreditacao.org.br/category/laboratorios-acreditados/

LEIA COMO CANCÚN ENCAROU A PANDEMIA
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA