ECONOMIA E POLÍTICA

Entidades do Turismo enviam proposta a candidatos à presidência

Dreamstime

As eleições se aproximam e, preocupadas com o setor, as principais entidades do Turismo, junto com o Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), encaminharam um documento, organizado pela Pires e Associados, com propostas e sugestões aos candidatos a presidente da República.

O objetivo, de acordo com o grupo, é de colaborar para a construção e consolidação de uma política pública que possa efetivamente promover o desenvolvimento do Turismo no Brasil. Intitulado Turismo: mais desenvolvimento, mais emprego, mais sustentabilidade, o documento de 25 páginas visa apresentar o setor como vetor importante da retomada do crescimento econômico.

"Elevar o Brasil para o topo da lista de escolhas de viagens, tanto para brasileiros como para estrangeiros, é um trabalho que dependerá diretamente de um governo que veja o segmento como prioritário; que busque avançar com políticas públicas que promovam a competitividade dos destinos e dos negócios; e que invista em promoção e infraestrutura", destaca.

Além da introdução, são sete capítulos divididos em: Importância Econômica do Turismo; Turismo no Brasil; Infraestrutura; Promoção; Segurança Jurídica; Competitividade e Gestão e Monitoramento.

As dez premissas para desenvolver o Turismo no Brasil, segundo o documento, são:

1. Melhorar a infraestrutura pública, a qualidade das instalações e dos serviços que atendem a população e também os turistas.

2. Fortalecer a imagem do Brasil no exterior e seus diferenciais como destino turístico.

3. Melhorar as condições para investimentos nacionais e estrangeiros, e apoiar a inovação como condição de competitividade.

4. Apoiar e adotar políticas de taxação inteligentes, que incluem simplificação na tributação e desburocratização, para melhorar o ambiente de negócios.

5. Melhorar a capacitação em todos os níveis educacionais, assim como as habilidades técnicas.

6. Aprimorar os transportes aéreo, rodoviário, ferroviário e náutico, garantindo conectividade eficiente para facilitar as viagens para o Brasil e dentro do Brasil.

7. Buscar mercados internacionais emissores de turistas que combinem volume de turistas e gastos altos.

8. Adotar práticas de digitalização nas áreas de gestão, planejamento e marketing.

9. Apoiar e estimular o desenvolvimento de novos produtos turísticos que tragam melhor experiência ao visitante.

10. Encorajar o desenvolvimento econômico sustentável e o crescimento inclusivo. As políticas públicas com as quais os empresários e profissionais de turismo desejam cooperar devem ser baseadas em Planos de Turismo anteriores, garantindo continuidade e, ao mesmo tempo, renovação e inovação constantes.

"Essas ações devem, necessariamente, ser coordenadas na esfera federal com governos estaduais e municipais. A transparência deve ser uma premissa fundamental das políticas, que precisam de monitoramento permanente", diz o documento.

Assinam a proposta:

FNHRBS – Federação Nacional de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares
ABAV – Associação Brasileira de Agências de Viagem
ABEAR – Associação Brasileira de Empresas Aéreas
ABEOC – Associação Brasileira de Empresas de Eventos
ABETA – Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura
ABIH NACIONAL – Associação Brasileira da Indústria de Hotéis
ABLA – Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis
ABOTTC – Associação Brasileira das Operadoras de Trens Turísticos e Culturais
ABR – Associação Brasileira de Resorts – Resorts Brasil
ABRACCEF – Associação Brasileira de Centros de Convenções e Feiras
ABRACORP - Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas
ABRASEL NACIONAL – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes
ABRASTUR – Associação Brasileira de Turismo Social
ABRATURR – Associação Brasileira de Turismo Rural
ABREMAR – Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos
ALAGEV – Associação Latino-Americana de Gestores de Eventos e Viagens Corporativas
ANTTUR – Associação Nacional dos Transportadores de Turismo e Fretamento
BITO – Associação Brasileira de Turismo Receptivo Internacional
BRAZTOA – Associação Brasileira das Operadoras de Turismo
CBC&VB – Confederação Brasileira de Convention & Visitors Bureaux
FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil
SEBRAE NACIONAL – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
SINDEPAT – Sistema Integrado de Parques Temáticos e Atrações Turísticas do Brasil
UBRAFE – União Brasileira dos Promotores de Feiras UNEDESTINOS – União Nacional dos CVBs e Entidades de Destinos

O documento na íntegra pode ser conferido aqui.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA