WTTC pede o fim de conceito de 'países de alto risco'

|

O Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) está pedindo aos governos que abandonem o conceito de “países de alto risco” e se concentrem em como viajantes de alto risco são tratados nas fronteiras.

Unsplash/Sugant
Para WTTC, governos devem abandonar conceito de
Para WTTC, governos devem abandonar conceito de "países de alto risco"
O órgão defende que apenas as pessoas infectadas fossem forçadas a se isolar, enquanto os viajantes com teste negativo continuariam a desfrutar de viagens seguras por meio da observação de protocolos de higiene e uso de máscara.

“O risco baseado em países inteiros não é eficaz nem produtivo. Redefini-lo para viajantes individuais será a chave para destrancar a porta para o retorno de uma viagem internacional segura. Precisamos aprender com experiências e crises anteriores, como 11 de setembro. Não podemos continuar rotulando países inteiros como de alto risco, o que pressupõe que todos estejam infectados. Embora o Reino Unido esteja registrando altos níveis de infecções, claramente nem todos os britânicos estão infectados. O mesmo vale para americanos, espanhóis ou franceses”, afirma a CEO e presidente da entidade, Gloria Guevara.

De acordo com Gloria, a realidade é muito mais complexa, pois não somente uma nação inteira é estigmatizada, como também as viagens e mobilidade são interrompidas, quando muitas pessoas com teste negativo na partida e chegada poderiam viajar com segurança sem exportar o vírus.

“Esse redirecionamento evitaria a exportação do vírus e permitiria a livre circulação de viajantes, ao mesmo tempo em que observaria protocolos de higiene aprimorados, como uso de máscara e distanciamento social. Precisamos aprender a conviver com o vírus, pois demorará muito para que a população global seja vacinada. É por isso que o WTTC defende a introdução de um teste abrangente e de baixo custo na partida e chegada para todos os passageiros internacionais, como uma forma de evitar que os portadores do vírus o espalhem”, diz.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA