OPERADORAS

Quais as vantagens de concorrer com gigantes como CVC?

Emerson Souza
Ana Maria Berto, da Orinter, Arnaldo Franken, da Casa do Agente, Cynthia Rodrigues, da Interep, e Juarez Cintra Neto, da Ancoradouro
Ana Maria Berto, da Orinter, Arnaldo Franken, da Casa do Agente, Cynthia Rodrigues, da Interep, e Juarez Cintra Neto, da Ancoradouro
Em um mercado onde se tornou comum ver grandes corporações comprarem seus concorrentes, como empresas de pequeno e médio porte sobrevivem nessa terra de gigantes? As oportunidades são muitas, como foi debatido no penúltimo debate do primeiro dia do Fórum PANROTAS, no Centro Fecomercio de Eventos, em São Paulo.

Durante o painel, a diretora da Interep, Cynthia Rodrigues, assinala que a competitividade está no seu modo de atuação. Pode-se dizer que a especialização, no seu caso a hotelaria e o aluguel de carros, é um dos facilitadores diante de megaempresas como CVC Corp e Grupo Flytour. Mas não é apenas isso, como disse a executiva.

“Essas megaempresas trabalham no B2C, a Interep sempre se focou no agente de viagens e trabalhamos exclusivamente B2B. É o grande diferencial nosso. Tudo que a gente faz é voltado pra facilitar o trabalho do agente a curadoria com conteúdo é um diferencial nosso”, declarou ela, que atua há mais de 35 anos nesse segmento.

Na visão dos demais participantes, como o presidente da Ancoradouro, Juarez Cintra Neto, e o sócio da Casa do Agente, Arnaldo Franken, as pequenas e médio operadoras têm o tempo ao seu favor. A opinião dos profissionais é endossada pela sócia-diretora da Orinter, Ana Maria Berto.

“Nós nascemos de uma fusão. E demos continuidade com o atendimento ao agente de viagens. Nós buscamos melhorar atendimento para poder oferecer informação e novas perspectivas para atendimento ao cliente. A flexibilidade, além da agilidade, é grande diferencial para atender ao público”, afirmou.

A atividade de um player pequeno e médio na indústria tem lados que se colidem, mas geram chances a ponto dessas empresas arriscarem a ter um faturamento de R$ 1 bilhão. Isso pode ser resumido na fala de Ana Maria Berto: “tiro de espingarda também mata. Não temos um canhão, mas podemos matar”, finalizou, sobre a alta competitividade nesse mercado.

O Fórum PANROTAS 2018 conta com aliança institucional da CNC Sesc Senac, apoio institucional do Sebrae Nacional, patrocínio de Accor Hotels, Aerolíneas Argentinas, AMResorts, Argo Solutions, Best Western Hotels & Resorts, Beto Carrero World, CVC, Elo, Esferatur Consolidação, Fecomércio São Paulo, Gol Linhas Aéreas, Delta Air Lines e Air France-KLM, GTA Assist, Localiza Hertz, Omnibees, R1 Soluções Audiovisuais, Reserve, Rio CVB, Royal Palm Hotels & Resorts, Sabre, Tes Cenografia, Villa Blue Tree, Visit Orlando e apoio da CEP Transportes, Pegasus Bus Orlando, Tour House, Vice Versa Tradução Simultânea e Vtex Day.

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA