Brasil é o 32º país mais competitivo no Turismo; veja ranking

|


Fernando Maia (Riotur)
Natureza e cultura são destaques do Brasil, segundo relatório
Natureza e cultura são destaques do Brasil, segundo relatório
O Fórum Econômico Mundial acaba de lançar o Relatório de Competitividade em Viagens e Turismo (TTCR), em que classifica 140 países em seus pontos fortes relativos ao Turismo e viagens globais. O Brasil aparece apenas em 32º no ranking, cinco posições abaixo em comparação ao último estudo. No entanto, ainda é o país com maior pontuação na América do Sul, destacando-se em recursos naturais e culturais.

Os dez principais países da lista representam mais de um terço das chegadas internacionais: Espanha, França, Alemanha, Japão, Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Itália, Canadá e Suíça.
O relatório alerta que fatores como viagens menos caras e redução de barreiras turísticas aumentam a demanda para níveis insustentáveis. Em 2018, a chegada de turistas internacionais ultrapassou 1,4 bilhão, superando as previsões em dois anos.

"Com as barreiras e os custos de viagem em declínio, muitos países aumentaram significativamente sua posição competitiva no Turismo global", comenta o chefe de Mobilidade do Fórum Econômico Mundial, Christoph Wolff. "Os países podem aproveitar essa oportunidade para gerar retornos econômicos e de desenvolvimento, mas devem abordar lacunas na infraestrutura e na proteção ambiental para garantir que esses retornos possam ser alcançados a longo prazo."

Confira abaixo o top 35:

1º - Espanha
2º - França
3º - Alemanha
4º - Japão
5º - Estados Unidos
6º - Reino Unido
7º - Austrália
8º - Itália
9º - Canadá
10º - Suíça
11º - Áustria
12º - Portugal
13º - China
14º - Hong Kong
15º - Holanda
16º - Coreia do Sul
17º - Singapura
18º - Nova Zelândia
19º - México
20º - Noruega
21º - Dinamarca
22º - Suécia
23º - Luxemburgo
24º - Bélgica
25º - Grécia
26º - Irlanda
27º - Croácia
28º - Finlândia
29º - Malásia
30º - Islândia
31º - Tailândia
32º - Brasil
33º - Emirados Árabes
34º - Índia
35º - Malta

Clique aqui para ver o relatório na íntegra.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA