Covid-19 derruba confiança e conectividade do Brasil no Exterior

|

Divulgação
Levantamento aponta os efeitos da crise do coronavírus no Turismo brasileiro
Levantamento aponta os efeitos da crise do coronavírus no Turismo brasileiro
Com mais de 52 mil mortes causadas pela pandemia do novo coronavírus, de acordo com dados divulgados ontem (23) pelas secretarias estaduais de saúde, o Brasil tem sido altamente afetado pela crise. Os efeitos dessa tensão na área da saúde passam, assim, a ser ainda mais sentidos no setor de Turismo, com a baixa percepção de confiança que o viajante internacional tem acerca do País. Dados apontados pela parceria entre Mabrian Tourist Intelligence e Interamerican Network mostram que a Índice de Percepção de Segurança (PSi) do Brasil caiu mais de 40% entre fevereiro e junho.

O relatório é montado a partir de milhões de menções espontâneas de turistas (Big Data), de visitantes e de visitantes em potencial para um destino nas redes sociais. Nesse sentido, o PSi, entre outros fatores, aponta como o destino é afetado por eventos de segurança como episódios de violência, atentados, insegurança e ameaças à saúde.

A análise leva em consideração a percepção de quatro países em relação ao cenário brasileiro. São eles: Argentina, Chile, Espanha e Estados Unidos. Mas nem todos eles apresentam impressões iguais. Argentinos e chilenos são os que mostram maior sensibilidade à situação, com uma queda maior no PSi. Ao contrário, os americanos são os que apresentam menor sensibilidade, entre os mercados analisados, embora a queda na confiança seja muito relevante (-42%).
No caso dos espanhóis, destaca-se o profundo impacto que sofreu este mercado em termos de confiança no início de fevereiro e em março, para posteriormente se posicionar como o segundo mercado menos afetado dentre os analisados.

CONECTIVIDADE AÉREA
Mais um entre os grandes efeitos da crise gerada pela pandemia foi a interrupção da conectividade aérea brasileira. Este aspecto é, inclusive, analisado pela Mabrian Tourism Intelligence como essencial para o renascimento do Turismo.

Considerando os 11 principais aeroportos do Brasil e os horários de voos publicados pelas companhias aéreas em 16 de junho de 2020, a conectividade aérea foi praticamente nula em junho, em comparação ao ano anterior.

Para julho é esperada uma ligeira recuperação, com destaque para o mercado espanhol.

Já a partir de agosto, é esperado uma recuperação mais robusta, embora permaneça entre 20% e 40% abaixo de 2019. A exceção é o mercado argentino, que apesar de se recuperar em agosto, permanece em níveis de queda de mais de 70% em relação a agosto de 2019.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA