Tendências, dicas e protocolos: veja live da FecomercioSP

|

Divulgação
A FecomercioSP realizou um webinar para tratar sobre boas práticas no Turismo neste momento de retomada do setor. Realizado nesta quinta-feira (16) o evento, nomeado de "Perspectivas e Inspirações", contou com a presença da presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, Mariana Aldrigui, e do diretor-presidente da Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur), Bruno Giovanni Reis.

Os participantes comentaram a tendência sobre a retomada ser baseada em viagens domésticas, ou até mesmo regionais. "O Turismo brasileiro sempre foi essencialmente doméstico, mas nos centramos nas análises feitas em relação ao internacional e falávamos muito pouco de sua representatividade. Não tem relatório das viagens feitas em carro particular, das viagens rodoviárias", ponderou Mariana.

Para a pesquisadora da USP e representante da FecomercioSP na live, viagens em carros particulares e em ônibus fretados podem registrar alta, com preferência por distâncias curtas para visitar familiares, por exemplo, mas que esses números não devem se manter além de um ano, com a retomada da aviação. Bruno Reis concorda. Afirma que a Emprotur vem sentindo esse movimento no Rio Grande do Norte e apostará na promoção do destino principalmente em Estados próximos, como a Paraíba e Ceará. "Também será uma oportunidade para locadoras de automóveis que já aderiram aos protocolos necessários, já que posso alugar um carro para viajar regionalmente", afirmou o diretor da Emprotur.

PROTOCOLOS
Sobre os protocolos de segurança, os participantes afirmaram que ainda mais importante que sua aplicação, será a comunicação. "Já havia uma sequência de protocolos de limpeza aplicada em grandes áreas de circulação, como hotéis e shoppings, mas não havia necessidade de comunicar isso ao consumidor. Os procedimentos já eram um padrão, tivemos de implementar apenas mais duas ou três medidas. É que agora os hotéis precisaram comunicá-lo. O forte é comunicação: como o hotel deixa evidente para o cliente os protocolos que já eram aplicados e os novos?", questionou Mariana.

Já Bruno Reis afirmou que para a Emprotur a maior preocupação "é a padronização dos protocolos entre os municípios do Estado, no nosso caso. As medidas serão importantes, mas a comunicação e a conscientização do viajante serão essenciais".

TENDÊNCIAS
"Mesmo antes da pandemia, a gente já vinha acompanhado quais eram as principais mudanças, nos padrões de consumo e tomadas de decisão, por exemplo. Com a pandemia, dedicamos mais tempo para entender esses pontos de fricção e buscar referenciais externos. Mas não basta copiar um modelo de outro país, pois o sucesso pode depender de aspectos culturais", comentou Mariana, que tem colecionado, por meio de relatos de realidade, dados que sejam comprováveis e fáceis de replicar, compartilhando pelos canais da FecomercioSP.

DICAS DE MARKETING
O marketing no ambiente digital será importantíssimo e merece dedicação e investimento das empresas. "Primeira dica: não faça sozinho. Estamos em um ambiente de alta tecnologia, aprendemos e percebemos que somos alvos constante de mensagens. Aprendemos que a decisão de viajar é alimentada por uma série de informações consumidas por anos em novelas e mídias diferentes. Então, a vinculação aos momentos em que estão surgindo esses desejos é importante. O universo digital deixa de ser um monstro e passa a ser um aliado, inclusive na segmentação. Há tecnologia, há recursos para aparecer apenas para pessoas que possam ter interesse no seu produto", explicou Mariana.

Bruno Giovanni concordou e acrescentou que o Turismo ainda não utiliza a inteligência comercial suficientemente para a tomada de decisões. Citando uma pesquisa da revista britânica Dazed sobre tendências para até 2050, o representante do Emprotur afirmou que celebridades e influenciadores estão cada vez mais perdendo espaço e dando lugar a ativistas climáticos e pessoas engajadas em causas sociais. "A pandemia transformou o marketing de influência. Queremos nos relacionar com pessoas que vivem a vida de verdade", afirmou Giovanni, que citou como exemplo a reportagem desta semana da época chamada "Menos Pugliesi, mais Prioli".

COMPORTAMENTO
Para Mariana, "o aprendizado que fica é que precisamos deixar de pensar que existe só um tipo de turista. Na volta da pandemia, haverá entre 60 e 70 milhões de brasileiros com algum dinheiro reservado para viajar e não existe um produto que atinja todos esses viajantes. Serão grupos com diferentes comportamentos. Para cada cliente, vai ser um produto e uma abordagem. Cerque-se de quem oferece inteligência comercial."

Já Bruno Reis afirmou que uma guerra tarifária não será benéfica para ninguém ao atrair clientes e sugere a adição de valor agregado ao produto, como welcome drink, massagem, late check out. Mariana lembrou que o consumidor brasileiro "tem a síndrome do vip, então tudo que possar ser incremental é válido."

CONTRATAÇÕES
Perguntada sobre a volta de contratações no Turismo, Mariana afirmou: "Houve uma sobrevida das empresas ao renegociar contratos e, agora, a partir de julho, que vamos ver um maior número de demissões. O que eu percebo é que se você é um profissional graduado, experiente, a partir de 40 anos, o cenário não é positivo. Mas, se você é novo, está estudando, o cenário é mais atraente, mas ainda com remunerações mais baixas". No entanto, ela também disse que cabe ao profissional se adaptar ao momento e talvez prestar um serviço diferente, mas ainda semelhante, já que profissionais do Turismo tem muita habilidade ao lidar com pessoas e relacionamento com consumidor.

Confira abaixo a live completa.


 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA