Mercado global de bens de luxo pessoais vem se recuperando

|

Após um ano turbulento, o mercado de luxo iniciou sua trajetória de recuperação, segundo dados da nova pesquisa da consultora global Bain & Company. A indústria voltou a crescer no primeiro trimestre de 2021, crescendo entre 0% e 1% em relação a 2019, que é visto pela indústria como o último ano comparável.

Pixabay/Pexels
Mercado global de bens de luxo pessoais vem se recuperando
Mercado global de bens de luxo pessoais vem se recuperando
A China continua a impulsionar a recuperação, enquanto os Estados Unidos se recuperaram inesperadamente. A aceleração desta região chave é uma das várias novas tendências dignas de nota, juntamente com a importância de um toque humano ao lado das interações digitais e da crescente presença de marcas no mercado de segunda mão.

As perspectivas para 2021, no entanto, ainda permanecem incertas. Espera-se que o mercado atinja entre 250 e 295 bilhões de euros, dependendo de qual dos dois cenários descritos no relatório se desenrolar ao longo do ano.

“É claro que os consumidores ainda querem comprar bens de luxo e isso, junto com a capacidade das marcas de se adaptar e inovar, está trazendo um retorno ao crescimento do mercado”, diz a sócia da Bain & Company e autora líder do estudo, Claudia D'Arpizio.

DOIS CENÁRIOS
Apesar dos sinais positivos no mercado, um alto grau de incerteza permanece. Diante disso, a pesquisa identificou duas trajetórias possíveis para a recuperação em 2021:

  • Cenário 1 (probabilidade 30%): Caminho de recuperação para continuar ao longo de 2021, recuperando o nível de mercado de 2019 já neste ano. Com este resultado, o mercado pode chegar entre 280 e 295 bilhões de euros.
  • Cenário 2 (probabilidade 70%): Apesar do forte impulso do primeiro trimestre, o crescimento do ano inteiro é sufocado por compras de luxo domésticas mais lentas e Turismo intra-regional limitado. Nesse caso, a recuperação total para os níveis de 2019 seria esperada apenas em 2022 e o mercado alcançaria de 250 a 265 bilhões de euros neste ano.

TRÊS TENDÊNCIAS
À medida que a indústria do luxo navegava pela crise, algumas tendências se solidificaram. O apetite da China e dos cidadãos chineses por luxo permanece insaciável e todas as nacionalidades de clientes estão crescendo positivamente ou em um caminho de recuperação. O crescimento do canal on-line permanece robusto à medida que novos clientes compram luxo virtualmente pela primeira vez e a gama de preços está se ampliando, com mais produtos básicos, mas também mais itens sofisticados.

  • Os anos 20 podem remodelar o mercado de luxo dos EUA: a recuperação no país superou as expectativas. A melhoria das condições macroeconômicas, um mercado de ações dinâmico, o aumento da confiança do consumidor e o rápido lançamento de vacinas são fatores que contribuem para uma forte recuperação. Foi observada uma mudança no mapa de mercado com novos centros urbanos e uma ênfase crescente nas áreas suburbanas, bem como o aumento da relevância subcultural e da mentalidade da próxima geração.
  • Toque humano ainda é importante: a pandemia catapultou as marcas de luxo para a era do digital em um ritmo imprevisto. A Bain estima que mais de 85% das compras de luxo foram influenciadas digitalmente em 2021. Mas o toque humano no luxo continua sendo necessário e, seja na loja ou remotamente, essas interações terão um papel crítico na manutenção da fidelidade do cliente.
  • O mercado de segunda mão atinge vários segmentos de consumo: a Bain estima que este mercado valha 28 bilhões de euros em 2020 (contra 26 bilhões de euros em 2019). Ele abrange não apenas os consumidores mais jovens, que estão principalmente comprando categorias e produtos aspiracionais, mas também os que mais gastam e colecionam em busca de produtos sofisticados ou colecionáveis. As marcas estão cada vez mais entrando nesse mercado de produtos de luxo usados e se tornando plataformas para interagir com elas durante todo o ciclo de vida de um item.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA