Turismo tem papel fundamental para estimular ações mais sustentáveis

|


PANROTAS/ Gute Garbelotto
Co-CEO da Future Carbon Group, Marina Cançado, aponta que os negócios podem ser uma via de solução
Co-CEO da Future Carbon Group, Marina Cançado, aponta que os negócios podem ser uma via de solução
A sustentabilidade foi protagonista na palestra ministrada pela co-CEO da Future Carbon Group, Marina Cançado, na tarde desta quarta-feira (22), no Fórum PANROTAS 2022. Com tema “Prioridade ESG e o Impacto na hotelaria, finanças e clientes”, Marina discorreu sobre a importância da causa ambiental para a sobrevivência da sociedade e dos negócios.

Segundo a executiva, os investimentos e o Turismo podem ser um caminho para transformar a realidade, buscar uma vida mais sustentável e reduzir as desigualdades para que mais pessoas possam desfrutar de viagens.

“Estamos em um momento de transformação na sociedade, há novas demandas e uma crise climática acontecendo. Nesse cenário, os negócios podem ser parte da solução. Cada vez mais precisamos integrar mudanças de comportamento social e a pauta do meio ambiente no processo da tomada de decisão, para que ocorra uma gestão de risco mais assertiva", aponta.

Ao longo da apresentação, a iniciativa ESG ganhou destaque. Marina explicou que o termo surgiu em um relatório da ONU, no qual indicava que, em um mundo cada vez mais complexo, não há espaço para tomar decisões de negócios ignorando as questões de sustentabilidade.

“Hoje, as corporações precisam entender as metas de emissões climáticas e os tópicos da diversidade para tomar a melhor decisão. As novas gerações estão pautando o consumo ao redor da sustentabilidade”, pontua a co-CEO. “Esse assunto não é mais uma coisa de nicho. As lentes da propriedade ESG já são um terço do que circula no mercado global, as empresas estão investindo na causa do meio ambiente, não é um ou outro player olhando para sustentabilidade, porque a sustentabilidade é o futuro dos investimentos”, completa.

Em relação ao Turismo, Marina trouxe à luz que as mudanças climáticas estão afetando diretamente os negócios. No ano passado, cerca de 300 voos foram cancelados na Califórnia e em Chicago devido às queimadas e tempestades. “A agenda da sustentabilidade tomou o mainstream. As grandes corporações estão entendendo que precisamos reduzir as emissões para tentar garantir o limite de 1,5 grau. Se o planeta atingir 2 graus, significa que 34% da população vai estar sujeita às ondas de calor, enquanto 99% dos corais vão estar perdidos, e precisamos deles para captura de carbono”, salientou.

Marina também destacou o compromisso das aéreas de zerar emissões de CO2 até 2050, e chama a atenção para que essa ação seja um objetivo de todo o trade, desde companhias até empresas focadas em experiências no Turismo e hotelaria.

“Não precisa ser uma transformação rápida, pode ser uma jornada simples. Um hotel, por exemplo, pode começar a substituir as garrafas plásticas, comprar alimentos das comunidades locais, trocar lâmpadas por outras mais sustentáveis e contratar pessoas diversas, gerando riqueza para o local em que está inserido”, disse.

Na reta final da palestra, Marina diz que o Turismo tem um papel fundamental para provocar as pessoas e estimulá-las a agir de uma forma mais sustentável.


O Fórum PANROTAS acontece nos dias 21 e 22 de junho, no Centro Fecomercio de Eventos em São Paulo, e conta com a aliança institucional da CNC e o patrocínio da Accor, Aerolineas Argentinas, Air Europa, Ancoradouro, AquaRio, Visit Argentina, Aviva, BWH Hotel Group, Coris Seguro Viagem, CVC Corp, Delta Air Lines, Easy Travel Shop, Elo, Enjoy Hotéis & Resorts, FecomercioSP, Fortaleza, Gol Air France KLM, GTA Assist, Iberostar Hotels & Resorts, Latam, Localiza, Mato Grosso do Sul, Mondiale Operadora, Movida, Omnibees, R1 Audiovisual, Royal Palm Hotels & Resorts, Sabre, Sebrae, Sheraton São Paulo WTC Hotel, Tes Cenografia, Viagens Promo, Villa Blue Tree, Visite São Paulo e apoio da Goya by Copastur, Hyper English, Rio CVB, Shift, Tour House e TRVL Lab.

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA