Para Sabre, caminho da retomada será liderado por tecnologia

|

Executivos da Sabre Corporation realizaram hoje (10) um encontro virtual para falar sobre os desafios da indústria de viagens diante da pandemia, como a empresa está agindo para atender às necessidades das companhias aéreas e agências de viagens e quais foram as medidas tomadas para a sobrevivência da estrutura e quadro de colaboradores da organização.

Henrique Santiago
Sean Menke, presidente e CEO do Sabre
Sean Menke, presidente e CEO do Sabre
“No início do ano anunciamos um conjunto de prioridades estratégicas para acelerar o crescimento da companhia e criar valor aos acionistas a longo prazo. Com o objetivo de tornar o setor de viagens altamente personalizável, foram cinco iniciativas, que visavam também gerar receita e crescimento de participação de mercado. Na época, já pensávamos em como seria o futuro da empresa. Agora, temos todo um time de volta, focado nessas estratégias, que são mais importantes do que nunca. Creio que 2021 ainda será um ano de recuperação, por isso estou pensando muito em 2022 e na importância dessas ações até lá”, diz o presidente e CEO da companhia, Sean Menke.
Divulgação
Roshan Mendis, do Sabre
Roshan Mendis, do Sabre

De acordo com os resultados do terceiro trimestre, o crescimento das reservas melhorou continuamente em relação ao 2T20, registrando um aumento de 19 pontos percentuais. A receita consolidada no período totalizou US$ 278 milhões, em comparação com US$ 1 bilhão no terceiro trimestre de 2019. Apesar de os números não serem o que a empresa imaginou para 2020, devagar ela vai saindo da crise. Um exemplo disso foram os 1,4 mil contratos assinados neste ano, com empresas como IAG, Etihad, Delta e TripActions, mesmo em tempos desafiadores.



“Ainda não está tão rápido quanto pensamos ou gostaríamos, mas cada mês é melhor que o anterior. Não estamos onde gostaríamos de estar, mas todas as métricas do Sabre melhoraram em relação ao segundo trimestre. Sabemos que o setor de viagens é resiliente, mas nunca vimos uma crise como essa. Por isso, a recuperação será diferente das outras que vimos no passado. Haverá mudanças constantes, portanto temos de ser capazes de criar novos jeitos para os nossos clientes. O caminho será liderado por tecnologia e estamos ansiosos para isso”, afirma o diretor comercial da unidade de negócios Travel Solutions, Roshan Mendis.

ACORDO COM GOOGLE
Um dos tópicos ressaltados durante o evento virtual foi a parceria de dez anos que o Sabre fechou com o Google, em janeiro, antes mesmo da pandemia estourar. De acordo com o diretor de Produtos da Travel Solutions, Wade Jones, o acordo aumentará as capacidades do Sabre ao longo do tempo.
Divulgação
Wade Jones, do Sabre
Wade Jones, do Sabre

“Quando falamos de um novo mundo, acredito que teremos de operar de novas maneiras, oferecendo ao viajante o que ele deseja em termos de experiência. Antes da pandemia, já estávamos em uma jornada de transformação e por isso que a parceria é tão importante. Viagens são muito complexas e é preciso alguém que entenda os padrões do setor, como nós. Do outro lado tem o Google que ajuda com toda a questão tecnológica. Essa capacidade em conjunto vamos incluir em vários produtos do nosso portfólio”, explica.

A primeira ferramenta a ser lançada, no primeiro semestre do ano que vem, será a Sabre Smart Retail Engine, um motor de vendas que funcionará com tecnologia de inteligência artificial e machine learning e que promete aprendizagem automática para otimizar o dia a dia do profissional de viagens. Sua essência será oferecer buscas e conteúdo disponíveis em tempo real e modelos de apoio para a tomada de decisões.

Segundo Jones, este recurso será a resposta do Sabre para a aquisição da Farelogix que acabou não dando certo. “Tentamos comprar a Farelogix em uma tentativa de modernizar alguns gaps que tínhamos, mas, infelizmente, não deu certo. A Sabre Smart Retail Engine terá capacidades similares e acreditamos que ela vá até mesmo além de qualquer lacuna que tenhamos.”
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA