Cuba ganhará novos cruzeiros a partir de maio; confira

|

Divulgação
Empress of the Seas, da Royal Caribbean, recebeu a permissão para operações adicionais na ilha Cubana
Empress of the Seas, da Royal Caribbean, recebeu a permissão para operações adicionais na ilha Cubana
O governo cubano estendeu a permissão para mais de 30 novas chegadas da Royal Caribbean e Norwegian Cruise Line, a partir de maio, o que sinaliza um futuro promissor do Turismo no país.

A Royal Caribbean já anunciou sete novos cruzeiros para a ilha, aumentando as suas operações que contavam com outros quatros já colocados à venda. A diretora de Comunicação Corporativa da armadora, Cynthia Martinez, confirmou a aprovação das autoridades cubanas. As novas rotas, de quatro a cinco dias, contarão com visitas diurnas e noturnas a Havana, além de paradas em cidades como Key West, na Flórida, e em Cozumel, no Caribe.

Já a Norwegian, com cinco rotas a partir de maio, anuncia que terá cruzeiros de quatro dias, todos com origem em Miami, e deverá oferecer uma noite em Havana. Segundo a armadora, o objetivo será o de operar 15 excursões com paradas de meio dia e dias inteiros na capital cubana – cumprindo as regras do Departamento de Tesouro dos Estados Unidos.

No entanto, com a nova política de Donald Trump, que ainda não definiu a relação com a ilha, o programa de vendas para Cuba pode ser afetado. Apesar disso, as duas companhias evitaram medidas que possam comprometer os cruzeiros, com viagens relativamente curtas.

DEMAIS ARMADORAS

Outras companhias também receberam autorização para atracar em Cuba, até maio. Dentre as armadoras, estão inclusos nomes como Pearl Seas Cruises, Azamara Club Cruises, Oceania Cruises e Carnival Corporation.

A embarcação da Fathom, a Adonia, está programada para voltar em junho, porém a Carnival anunciou que estaria trabalhando para que um novo navio, de outra marca, fosse autorizado a operar no trecho Miami-Havana. “Permanecemos otimistas de que seremos aprovados em breve”, afirmou o diretor de Comunicação da Carnival, Roger Frizzell.


*Fonte: Travel Weekly

conteúdo original: http://bit.ly/2kt4E7T
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA