Booking.com pode demitir até 4.500 funcionários

|

Divulgação
A Booking.com comunicou que pode demitir cerca de 4.500 funcionários enquanto a empresa procura se reorganizar após o impacto da pandemia. A OTA afirmou que até 25% da força de trabalho global de 17.500 funcionários poderá ser dispensada como parte de uma grande reestruturação. Em comunicado, a empresa disse que a crise do covid-19 "devastou o setor de viagens" e continua a sentir o impacto, já que as reservas ainda são "significativamente reduzidas".

"Embora tenhamos feito muito para salvar o maior número possível de empregos, acreditamos que devemos reestruturar nossa organização para corresponder às nossas expectativas quanto ao futuro das viagens. Infelizmente, como resultado da crise, nós, como muitas outras empresas de viagens, precisamos dar o passo extremamente difícil para reduzir nossa força de trabalho global, com até 25% da base global de funcionários que será impactada", comunicou a Booking. Detalhes sobre onde os cortes serão feitos ainda não foram divulgados.

Para a Global Data, empresa líder em análise e dados, os cortes de empregos da Booking Holdings mostram lutas contínuas das operadoras de viagens. “O fato é que 41% dos viajantes globais esperam reduzir as viagens internacionais em 2020 *. As regras em constante mudança em relação à quarentena, cancelamentos e viagens em geral entre destinos em todo o mundo continuam a dizimar a confiança do consumidor, que é a maior barreira para a recuperação de viagens", afirmou a analista de viagens e Turismo da Global Data, Johanna Bonhill-Smith.

Para a especialista, como uma das maiores OTAs do mundo, a Booking é uma das empresas com mais força para enfrentar a crise causada pela pandemia, mas essas demissões substanciais mostram que o corte de custos continua sendo um componente vital para sobreviver ao atual cenário. "Com um modelo de negócios leve para ativos, as OTAs permanecem em uma clara vantagem estratégica para as agências de viagens nas lojas, mas mesmo elas não são imunes. Outras empresas como o Grupo Expedia, o TripAdvisor e o Airbnb já fizeram cortes significativos em sua força de trabalho em reação a essa pandemia e em uma tentativa de reduzir custos”, concluiu Johanna.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA