AVIAÇÃO

Pesquisa: aéreas investem em segurança e inteligência


Intelligent Aerospace

A Sita, empresa de pesquisa de serviços à indústria da aviação, acaba de divulgar seu último insight sobre as principais tendências e tecnologias que devem transformar o setor nos próximos anos. Em uma consulta feita com executivos de TI das 200 maiores companhias aéreas do planeta, incluindo as do segmento de baixo custo, a consultoria avaliou que as atenções do momento se voltam à segurança e ao investimento em inteligência - áreas com influência direta sobre o gerenciamento de passageiros e mobile.

"Falamos muito de internet das coisas nos últimos anos e nossa pesquisa indica, ao menos no caso das aéreas, que isso está virando realidade", escreveu o editor da pesquisa, Max Kingsley-Jones.

Ainda que em escala relativamente pequena, as empresas investem em sistemas inteligentes de forma crescente, no intuito de entregar informação a passageiros via aplicativos de celular - como extensão de filas e tempo de embarque.

Além disso, as frotas estão mais inteligentes, com dois terços das linhas aéreas com planos de oferecer aeronaves com alta tecnologia até 2019.

Quanto à segurança da informação, a pesquisa constatou que o percentual de gasto das empresas em TI deve aumentar consideravelmente em relação à receita delas a partir de 2017. Nos anos anteriores, o percentual se manteve estável, a menos de 3% da receita, por conta da ausência de projetos de inovação e aplicativos de celular. Quase 60% dos executivos de TI das empresas esperam ver um aumento no orçamento voltado ao setor e pouco mais de metade espera ter aumento de gastos.

MOBILE
De acordo com a pesquisa, os investimentos em TI são na maioria voltados ao mobile. Quase 80% das empresas esperam melhorar os serviços ao consumidor através dos smartphones pelos próximos três anos, enquanto cerca de 70% dizem planejar o mesmo no caso dos tablets.

A pesquisa aponta que três a cada quatro companhias de aviação oferecem check-in no aplicativo. Até 2019, a oferta do serviço desta forma atingirá nível universal, com 90% das empresas aptas a facilitar o processo.

"Investimentos na modernização do mobile por meio da geração de receita também está acontecendo. Hoje, cerca de dois terços das empresas oferecem reserva de voo através do app. Até 2019, mais 20% devem fazer o mesmo e aumentar as vendas sem tíquete".

O estudo observa que os esforços no desenvolvimento dos aplicativos são crescentes quanto à notificação de bagagem. Aproximadamente 60% dos entrevistados disseram que as empresas planejam introduzir acesso a informações de bagagens via pp e tablet pelos próximos três anos.

Da Microsoft

CONECTIVIDADE
Outro segmento de investimento prioritário é o de internet das coisas, com 29% das empresas decolando projetos relacionados à pilotagem e ao controle de combustível. Ainda, pelos próximos três anos, a previsão é de aprimoramento dos serviços para o passageiro, como monitoramento de bagagem, identificação de passageiros, gerência de equipamento e de combustível. A Sita estima que 68% das empresas planejam no momento fomentar projetos relacionados à internet das coisas até 2019.

RASTREAMENTO DE BAGAGENS
Um dado importante da pesquisa é a quantidade de empresas se adequando à resolução da Iata para rastreamento de bagagens, que passa a valer a partir de junho de 2018. "Curiosamente, o comprometimento com a resolução tem se mostrado baixo entre as prioridades de investimento na área de TI nos próximos três anos. Apenas 24% das empresas têm programas sólidos voltados a isso, enquanto 26% simplesmente não têm plano algum".

Dentre os desafios em relação à adequação à resolução está a comunicação limitada entre linhas aéreas e aeroportos.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA