AVIAÇÃO

Airbus avança em negociação para construir aviões da Bombardier

Divulgação/Bombardier
Após obterem todas as aprovações regulatórias necessárias, Airbus, Bombardier e Investissement Québec (IQ) concordaram em concluir as transações referentes ao programa C Series em 1º de julho deste ano.

Isso significa que a Airbus adquirirá uma participação majoritária na Parceria Limitada de Aeronaves C Series (CSALP) - inicialmente estabelecida entre a Bombardier e a Investissement Québec - e os jatos CS100 e CS300 (foto) poderão ser produzidos na fábrica da Airbus nos Estados Unidos.

A parceria será favorecida pelo alcance global da fabricante francesa, bem como por sua experiência em vendas e marketing, e a Airbus tem como objetivo agregar valor a clientes, empregados, fornecedores e comunidades locais onde a parceria opera (a base dela será em Mirabel, no Canadá).

Como anunciado anteriormente, a Bombardier continuará com seu atual plano de financiamento do CSALP, cobrindo as deficiências de caixa, se necessário, durante o segundo semestre de 2018, até um máximo de US$ 225 milhões; durante 2019, até um máximo de US$ 350 milhões; e até um montante agregado máximo de US$ 350 milhões nos dois anos seguintes, levando em conta as ações participantes sem direito a voto da CSALP com dividendos acumulados anuais de 2%.

“Essa parceria amplia nosso compromisso com a Investissement Québec e toda a indústria aeroespacial canadense. A força da Airbus estará por trás da C Series, não apenas permitindo que essas excelentes aeronaves cumpram seu potencial de mercado, como também trazendo um valor significativo para a nossa empresa, nossos clientes e acionistas”, afirma o CEO da Airbus, Tom Enders.

"Isso marca o início de um novo capítulo muito interessante para a C Series e a indústria aeroespacial canadense. As aeronaves da C Series são amplamente reconhecidas como as mais avançadas e eficientes de sua classe e essa parceria garantirá seu sucesso comercial. A incomparável escala global da Airbus, o forte relacionamento com os clientes e a experiência operacional são ingredientes necessários para potencializar o valor das aeronaves. Juntos, criaremos novos valores e oportunidades para companhias aéreas, fornecedores, acionistas e funcionários”, complementou o presidente e CEO da Bombardier, Alain Bellemare.

Mais informações financeiras sobre a transação serão fornecidas ainda este ano.


*Fonte: Airbus

conteúdo original: https://bit.ly/2kWx5he
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA