AVIAÇÃO

Latam Brasil foca na área de Mice com reestruturação

O Grupo Latam vem investindo bastante em suas aeronaves e serviços. Foram US$ 400 milhões em retrofrit para transformar os interiores e a experiência a bordo de mais de 200 aviões, aproximadamente dois terços de sua frota global. A experiência do cliente também está no cerne, com melhorias no sistema de entretenimento, wi-fi em toda a frota operada pelo Brasil até 2020, entre outras melhorias.

Filip Calixto
Camila Belinelli, gerente do Núcleo de Negócios da Latam Brasil
Camila Belinelli, gerente do Núcleo de Negócios da Latam Brasil
Um dos focos principais da empresa no Brasil no momento é a área de Mice, que acaba de ter seu departamento reestruturado e conta com cerca de 100 iniciativas nos últimos 12 meses. Ampliação de equipe – que agora possui 60 pessoas dentro do núcleo –, melhoria de processos e de KPI, entender os potenciais de cada cliente e o que eles valorizam mais estão entre elas. O segmento, inclusive, representa algo como 5% das vendas Latam Brasil e a expectativa é que chegue a 7% até o fim do ano.

“Nosso objetivo é a melhora contínua, questionar se está funcionando, o que precisamos ajustar. Com essas reestruturações, unimos o pessoal que já possui expertise em campo e produto, com uma nova pessoa que vem junto de um time de processos”, conta a gerente do Núcleo de Negócio da Latam Brasil, Camila Belinelli.

A nova pessoa é Valteir de Paula Junior, há quatro anos na companhia, que vem de vendas para a área de negociação e está há sete meses como coordenador de Mice & Charter. Com muitos produtos, com frentes e ativações diferentes, é preciso focar na estruturação de processos e segmentação de clientes.

Filip Calixto
Valteir de Paula Junior e Camila Belinelli, da Latam Brasil
Valteir de Paula Junior e Camila Belinelli, da Latam Brasil
“Para Mice, temos as seguintes opções: fretamento, cujo voo não precisa estar publicado na malha da Latam, pode ser em um horário e rota que não existem; fechamento, fechando as aeronaves dos voos regulares; bloqueio de grupo a partir de nove passageiros; e transportadora aérea oficial, cuja opção cria um promocode especial”, explica Junior.

Uma das novidades é para a última opção, que agora terá desconto em eventos do mercado internacional, e não somente nacional. Valendo há três meses, o desempenho está bom, mas a aérea ainda não definiu a rota ou mercado principal. Com uma malha bastante robusta para a América do Sul, esta região pode ser uma das apostas.

“Colocar o logo da empresa no cabeçote, fazer um speech a bordo especial, servir um cardápio personalizado, distribuir brindes, até mesmo ter um DJ a bordo. Tudo fica a critério do cliente. Conseguimos customizar, dentro dos padrões de segurança exigido, como ele quiser. É deixar o cliente escolher o que ele quer fazer”, finaliza Camila.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA