Pequenos eventos domésticos devem liderar retomada do setor

|

Jraffin/Pixabay
Pequenas reuniões e eventos híbridos são apontados como o próximo passo na recuperação do setor
Pequenas reuniões e eventos híbridos são apontados como o próximo passo na recuperação do setor
A Aliança Estratégica dos Escritórios de Convenções Nacionais da Europa publicou uma atualização de seu estudo de 2020 sobre “O Impacto do Coronavírus no Setor de Convenções da Europa”. O relatório, preparado pela Tourism Economics, fornece três cenários de recuperação para refletir a possível gama de desenvolvimentos dado o nível de incerteza sobre como a situação pandêmica irá evoluir nos próximos meses.

Cenário base: rápida recuperação após remoção de restrições
O cenário base pressupõe que o aumento das restrições e dos efeitos do sentimento negativo em 2021 significará que a recuperação não começará para valer até 2022. A remoção das restrições dará, então, confiança a grandes corporações e planejadores de eventos no futuro e permitirá alguma recuperação rápida do setor. Espera-se que as visitas se recuperem até 2024. O cenário também prevê que diferentes tipos de eventos se recuperem em ritmos variados, com pequenas reuniões e eventos de cooperação de caráter doméstico liderando o caminho e quase atingindo os níveis de 2019 no final de 2022.

Para grandes eventos e convenções, um progresso significativo é previsto no mesmo período. No entanto, não se espera que todos os tipos de eventos tenham se recuperado antes de 2023. Não menos importante, a mudança e o uso contínuo de formatos de eventos híbridos também significará que os níveis médios de participação para todos os eventos ficarão abaixo dos níveis de 2019 até 2024. Da mesma forma, o gasto médio por viagem também permanecerá deprimido durante o período de previsão, impulsionado por uma redução no tempo médio de permanência por viagem e o atraso na recuperação de participantes internacionais. No geral, o cenário de base trabalha com a suposição de que, embora os eventos retornem aos níveis anteriores à crise em 2023, a recuperação da média de atendimento ficará dois anos atrás dos eventos.

Cenários positivo e negativo
Para considerar os principais riscos que afetam as premissas da linha de base, como o fornecimento e implementação da vacina, o prazo para sair das restrições atuais e o comportamento futuro da convenção participantes, o estudo também analisou um cenário positivo e negativo. O primeiro prevê uma flexibilização antecipada das restrições, uma rápida retomada do crescimento econômico e efeitos negativos limitados sobre o sentimento.

A versão negativa prevê que a prevalência contínua e os efeitos do vírus verão algumas restrições adicionais mantidas em 2022. Este cenário também assume que o formato das conferências e reuniões será diferente nos próximos anos, com muitos eventos continuando a ser completamente virtual ou híbrido. Particularmente, as mudanças no comportamento dos participantes em relação ao atendimento virtual e a proeminência contínua de configurações híbridas significam que o caminho para a recuperação também vem com a necessidade da comunidade de eventos desenvolver produtos apropriados e inovadores que irão inspirar e envolver os participantes no futuro.

As premissas para o estudo de impacto do coronavírus foram desenvolvidas em consulta com membros da Aliança Estratégica dos Escritórios de Convenções Nacionais da Europa e incorporaram percepções de modelos anteriores e várias pesquisas de opinião do consumidor. Para obter resultados detalhados, acesse o estudo completo.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA