HOTELARIA

Os que dizem os hoteleiros dos EUA sobre o futuro com Trump

A eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos levantou uma série de questões na indústria de viagens. Menos de duas semanas após vestir a faixa presidencial, as perguntas evoluíram para, digamos, o início de respostas. Medidas como a proibição da entrada de turistas de países muçulmanos e a criação de um muro na fronteira com o México são encaradas como retrocesso.

Andrew Stawarz/Flickr

Mas e para a hotelaria norte-americana? O Trump, dono de uma rede de hotéis que leva seu nome, foi alvo do questionamento de empresários de grandes marcas do setor no país. O segmento corporativo proporciona às empresas uma fatia expressiva de faturamento. Mas como serão os próximos anos sob o comando do republicano.

Há quem acredite na figura de Trump e na economia dos Estados Unidos, mas há também quem questione o polêmico magnata. Confira as opiniões abaixo, elencadas pelo portal Skift????:

Christopher Nasetta, presidente e diretor executivo do Hilton
“Eu acredito que viagens de lazer têm permanecido razoavelmente forte. Provavelmente parece que vai continuar a ser. Nosso grupo de negócios foi razoavelmente bom. Parece que vai manter sua força. Então, você pega um negócio de um grupo decente, relativamente forte em lazer, e um aumento no corporativo e eu acredito que isso significa negócios melhores. O quão melhor, eu não sou inteligente o bastante para saber no momento. O tempo irá dizer.”

David Kong, presidente e diretor executivo da Best Western
“É difícil dizer. Se eu fosse perguntado há um ano, eu diria que estaríamos perto do fim de um ciclo. Mas você sabe, a eleição surpreendeu todo mundo, e há quem encontrou entusiasmo. Você olha para a bolsa de negócios e os índices quase sempre estão altos, então eu acredito que é um bom sinal. Poderíamos ter alguns anos a mais neste ciclo. Mas temos que esperar e ver. Ainda é muito cedo para dizer.”

Elie Maalouf, diretor executivo para as Américas do Intercontinental Hotels Group (IHG)
“Desde 2008 e 2009, as viagens corporativas têm retomado o caminho. Mas veio muito abaixo naquela época, alguns anos mais do que outros [...] As viagens corporativas dependem da saúde dos negócios corporativos e os resultados corporativos. Até o último trimestre do último ano, acho que tínhamos cinco ou seis semestres diretos nos quais nossos lucros S&P [Standard & Poor’s].

O crescimento não diminuiu, mas na verdade diminuiu, sim. Se a indústria diz isso, portanto, as despesas corporativas caíram em hotéis, não seria ilógico. Não há muitas empresas que aumentam os gastos em viagens quando os lucros reduzem.”

Scott Berman, diretor e líder de Indústria, Hospitalidade e Lazer dos Estados Unidos da PWC
“O segmento a ser observado é o comportamento corporativo. Já temos visto números melhores, particularmente em Nova York. Os bancos e a indústria de serviços financeiros têm realmente jogado defensivamente. Eles não têm gastado muito dinheiro. Isso não é bom para a indústria de hotéis [...] As primeiras indicações são de que os negócios corporativos em 2017 serão melhores do que em 2016.

Há dois lados para as empresas: há o passageiro, o ‘guerreiro da estrada’ [tradução literal para road warrior] que vai fazer o seu trabalho e há os grupos de negócios. Eles são importantes para a saúde geral desse setor [...] Quanto os grupos têm gastado no hotel? Quantos quartos. Você tem de observar refeições e o negócio de catering também. Você tem de olhar os Estados Unidos mercado por mercado. Cada um tem um DNA e uma história diferentes.”


*Fonte: Skift

conteúdo original: http://bit.ly/2jRl9Lx
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA