Sustentabilidade prevê evolução do ecossistema do setor corporativo

|

É inegável que o setor de Turismo foi, de longe, o mais impactado pela pandemia do novo coronavírus. A indústria como um todo terá de rever e criar uma série de protocolos, principalmente ligados à higiene e limpeza, para se adaptar ao “novo normal”.

Segundo o presidente executivo da Abracorp, Gervasio Tanabe, com essas mudanças, os modelos de negócios no setor de viagens corporativas sofrerão fortes disrupções. Confira o artigo na íntegra abaixo e veja porque a sustentabilidade pressupõe a evolução do ecossistema e, não, sua destruição.

Emerson Souza
Gervasio Tanabe, da Abracorp
Gervasio Tanabe, da Abracorp
"O cenário econômico e social modificou-se dramaticamente, no mundo, com o impacto da pandemia. O setor de turismo, quer seja de negócios ou lazer, foi, de longe, o mais impactado. Estudos da Fundação Getúlio Vargas colocam o agenciamento de viagens como um dos últimos a se recuperar no pós COVID-19. Previsão disso acontecer, de maneira mais consistente, só no início de 2021.

O consumo de serviços de viagens dependerá da aplicação de protocolos sanitários destinados a mudar hábitos das pessoas e das empresas, além da abertura de fronteiras, pelos governos, mundo afora. Modificações profundas, frutos desses protocolos sanitários, já estão em curso em todo o ecossistema que atenderá o viajante de negócios ou de lazer, na retomada das atividades.

A despeito de recomendações muito similares, cada empresa está adotando seu protocolo, obedecendo a sua política interna. Por isso, criamos um repositório para que todos possam ter acesso a todos eles, disponível em www.abracorp.org.br/protocolos.

Com essas mudanças, os modelos de negócios até então comuns no setor de viagens corporativas, sofrerão fortes disrupções. Processos online e opções self-service serão altamente estimulados pela indústria e pelo próprio consumidor. Porém, isso não se dará a custos hoje propostos. Esses processos demandarão novas especificações tecnológicas, acompanhadas de sistemas de segurança.

Pesquisas indicam que teremos novos patamares de precificação. Decorrem das novas demandas setoriais e dos governos, traduzidas por esses protocolos sanitários e também por uma recomposição de oferta. Não obedecidos esses protocolos, o viajante poderá ter preterida a entrada em determinados países. Ele não passará da plataforma de higienização nos aeroportos. O visto sanitário será mandatório em muitos casos.

Diante disso, a Abracorp conclui que todos os atores desse ecossistema, de clientes a fornecedores, passando por prestadores de serviços como as agências de viagens, terão que reinventar seus processos negociais. Práticas como sistemas e serviços a custo zero e prazos de 60, 90 dias até então insustentáveis, tornam-se, agora, impraticáveis.


A boa governança, nesse tempo tão cruel às pessoas e empresas, exige que estas estabeleçam a sustentabilidade da cadeia como ponto de partida, deixando de pensar no sucesso isolado e simplista. A pior situação é um cliente ter uma demanda e não encontrar prestadores de serviços adequados, que possam garantir o bom atendimento dentro de critérios de governança, ética, transparência e, principalmente, segurança ao seu colaborador. Todos têm responsabilidade social, acima de tudo.

Uma RFP aceita tudo, mas exige compromissos para ambas as partes. O mundo dos negócios não pode ser gerido por simples erros e acertos, buscando tão somente o melhor resultado financeiro no botton line dos contratos. As propostas devem contemplar, em sua essência, governança, sustentabilidade e transparência.

Aliando-se a entidades como a AMPRO, que recentemente, publicou matérias abordando um dos temas mais críticos ao mercado, os alongados e insustentáveis prazos de pagamento, é imperativo que repensemos e reiniciemos um ciclo novo e virtuoso. Urge abandonar essa relação de curto prazo danosa e viciada, presente em propostas inexequíveis praticadas até então. E, muitas vezes, construídas e referenciadas, exclusivamente, em base transacional traiçoeira.

A sustentabilidade pressupõe uma relação que busque a preservação e a evolução da cadeia e não a sua destruição."



* Gervasio Tanabe é presidente executivo da Abracorp
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA