Mesmo com pandemia, receita da Movida cresce 6% no 2º trimestre

|


Divulgação

A Movida registrou a maior receita líquida já registrada na história da empresa ao atingir R$ 1,05 bilhão, um aumento de 6% em relação ao mesmo período do ano passado. O Ebitda, mesmo em um momento de pandemia, se manteve estável em R$151 milhões, com margem de 51%, uma evolução de 10 pontos percentuais em relação aos três primeiros meses do ano passado. A companhia ainda alcançou lucro líquido de R$ 2,6 milhões.

"Desde o início da pandemia, mantivemos uma comunicação aberta e transparente com os nossos clientes, fornecedores, colaboradores e investidores. Tomamos decisões pensando na otimização de nossos ativos, buscando sempre a máxima rentabilidade possível em cada cenário", comentou o CEO da Movida, Renato Franklin.

Estruturalmente, a empresa finalizou o período com 105 mil carros, uma redução de 13 mil veículos perante o volume do primeiro trimestre de 2019. No RAC, ainda que o número de diárias tenha caído 8% no 2T20 em relação ao 2T19, a taxa de ocupação se manteve em níveis de 73%.

Em gestão e terceirização de frotas (GTF), houve uma expansão de 20% no volume de diárias na comparação com o mesmo período do ano passado, superando a marca de 3 milhões, com 33 mil carros operacionais. E em Seminovos, a companhia teve uma destacada performance ao registrar o maior número de vendas em um trimestre, com 18,5 mil carros comercializados, superando em 15% o melhor índice até então, registrado no segundo trimestre de 2019. A receita líquida de Seminovos foi a maior já reportada em um trimestre, aumentando 21% frente ao mesmo período do ano passado, com expansão de 6% no ticket médio.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA