Fitur recebe poucos operadores brasileiros e participantes de 127 países

|


PANROTAS / Fabíola Bemfeito
Liliane Jacob e Luca Souza, da Abreu
Liliane Jacob e Luca Souza, da Abreu
MADRI – Um dos comentários dos participantes brasileiros e mesmo dos fornecedores que estiveram na espanhola Fitur nesse início de 2022 é de que havia poucos operadores do País na feira.

“Soube que muita gente cancelou por conta do crescimento dos casos ligados à variante ômicron, apesar de a Fitur ter resistido e mantido a feira”, disse Luca Souza, da operadora Abreu, que esteve no evento ao lado de outra gerente da operadora no Brasil, Liliane Jacob. “Nas semanas que antecederam a feira, a cada dia ficávamos sabendo do cancelamento de alguém”.

Mesmo assim eles não tiveram dúvida de que deveriam estar na Fitur. “Uma entidade me confirmou a vinda de 30 operadores e, perto do evento, me informou que 20 já tinham cancelado”, contou Martin Jensen, da Queensberry, que voltou à Fitur depois de oito anos de ausência.

Mas, se no primeiro dia, havia brasileiros inseguros se o investimento havia valido, no segundo e terceiro dia, a dúvida foi totalmente dissipada. Não houve quem não celebrasse os bons resultados. Para quem foi com estande exclusivo, cooperado ou apenas como visitante, era unânime a afirmação de que o evento superou as expectativas.

Bem fez a Fitur por ter resistido e mantido a feira presencial, que fechou os três dias profissionais com 81.193 participantes de 127 países – 20 a mais do que a previsão com os pré-inscritos, quando a organização contabilizava participantes de 107 nações.

E tem mais: para os destinos, a Fitur não acabou no terceiro dia. Isso porque o fim de semana foi aberto ao público e, reuniu, segundo a organização, apesar da ômicron e com todos os protocolos de segurança, cerca de 30 mil visitantes. A conclusão óbvia e imediata é que as pessoas estão mesmo loucas para viajar...

O PANROTAS viajou a convite da Fitur como media partner brasileiro do evento
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA