Lufthansa Group volta a lucrar e registra 393 mi de euros no 2T22

|

Lufthansa Group
O grupo também registrou fluxo de caixa livre ajustado de 2,1 bilhões de euros no segundo trimestre
O grupo também registrou fluxo de caixa livre ajustado de 2,1 bilhões de euros no segundo trimestre
O Grupo Lufthansa compartilhou seus resultados financeiros do segundo trimestre de 2022, revelando um lucro operacional de 393 milhões de euros e fluxo de caixa livre ajustado de 2,1 bilhões de euros no 2T22. O lucro líquido aumentou significativamente para 259 milhões de euros, uma vez que, no mesmo período do ano passado, o grupo registrou um prejuízo de 756 milhões de euros. Outros destaques foram o forte aumento nos yields médios, segmento de carga bem-sucedido e taxas de ocupação nas classes premium acima dos níveis de 2019.

"Este é um resultado forte após um semestre que foi desafiador para nossos passageiros, mas também para nossos funcionários. Em todo o mundo, o setor aéreo atingiu seus limites operacionais. No entanto, estamos otimistas com o futuro. Juntos, conduzimos nossa empresa pela pandemia e, portanto, pela crise financeira mais grave de nossa história. Agora devemos continuar a estabilizar nossas operações de voo. Além do retorno alcançado à lucratividade, os melhores produtos para nossos clientes e perspectivas para nossos funcionários agora estão mais uma vez em prioridade máxima”, afirmou o CEO da Deutsche Lufthansa AG, Carsten Spohr.

DESTAQUES DOS RESULTADOS

  • O grupo gerou um lucro operacional de 393 milhões de euros no segundo trimestre. No período do ano anterior, o EBIT Ajustado ainda era claramente negativo em -827 milhões de euros. A margem EBIT ajustado aumentou para 4,6% (ano anterior: -25,8%). O lucro líquido aumentou significativamente para 259 milhões de euros (ano anterior: -756 milhões de euros);

  • A empresa faturou 8,5 bilhões de euros no segundo trimestre, quase três vezes mais do que no mesmo período do ano passado (ano anterior: 3,2 bilhões de euros);

  • Para o primeiro semestre de 2022, o grupo registrou um EBIT Ajustado de -198 milhões de euros (ano anterior: -1,9 bilhão de euros). A margem EBIT Ajustado foi de -1,4 por cento no primeiro semestre do ano (ano anterior: -32,5 por cento). As vendas aumentaram significativamente em comparação com os primeiros seis meses de 2021 para 13,8 bilhões de euros (ano anterior: 5,8 bilhões de euros);

  • O número de passageiros a bordo das aéreas do grupo mais que quadruplicou no primeiro semestre em comparação com o mesmo período do ano passado. Ao todo, as companhias aéreas do Grupo Lufthansa receberam 42 milhões de passageiros a bordo entre janeiro e junho (ano anterior: 10 milhões). Somente no segundo trimestre, 29 milhões de passageiros voaram com as companhias aéreas do grupo (ano anterior: 7 milhões);

  • A empresa expandiu continuamente a capacidade oferecida em linha com o aumento constante da demanda ao longo do primeiro semestre do ano. No primeiro semestre de 2022, a capacidade ofertada foi em média 66% do nível pré-crise. Olhando para o segundo trimestre isoladamente, a capacidade oferecida atingiu cerca de 74% do nível pré-crise;

  • Destaca-se a evolução positiva dos yields e dos fatores de ocupação de assentos no segundo trimestre. Os rendimentos melhoraram significativamente no trimestre em uma média de 24% em comparação com o ano anterior. Eles também aumentaram 10% em comparação com o ano pré-crise de 2019;

  • Apesar do nível de preços mais elevado, os voos do Grupo Lufthansa tiveram uma taxa de ocupação média de 80% no no segundo trimestre. Esse número é quase tão alto quanto antes da pandemia (2019: 83%). Nas classes premium, a taxa de ocupação de 80% no segundo trimestre superou até mesmo o valor de 2019 (2019: 76%), impulsionado pela alta demanda contínua entre viajantes particulares e pelo aumento do número de reservas entre os viajantes de negócios;

  • Graças à gestão de custos contínua e consistente e à expansão da capacidade de voo, os custos unitários nas companhias aéreas de passageiros caíram 33% no segundo trimestre em comparação com o mesmo período do ano passado. Permanecem 8,5% acima do nível pré-crise, devido à oferta ainda significativamente reduzida;

  • O EBIT ajustado nas companhias aéreas de passageiros melhorou significativamente no segundo trimestre para -86 milhões de euros (ano anterior: -1,2 bilhão de euros). Entre abril e junho, o resultado foi onerado por 158 milhões de euros de custo de irregularidades em relação a interrupções nas operações de voo. No primeiro semestre do ano, o EBIT Ajustado no segmento de Passageiros foi de -1,2 bilhão de euros (ano anterior: -2,6 bilhões de euros);

  • O resultado positivo da Swiss merece destaque. A companhia aérea suíça gerou um lucro operacional de 45 milhões de euros no primeiro semestre (ano anterior: -383 milhões de euros). No segundo trimestre, seu EBIT Ajustado foi de 107 milhões de euros (ano anterior: -172 milhões de euros). A Swiss beneficiou sobretudo da forte procura de reservas combinada com ganhos de rentabilidade como resultado da reestruturação bem sucedida.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA