INVESTIMENTOS

Ministro pede veto de bagagem grátis e sinaliza novas aéreas

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, deu sua opinião em relação à aprovação da Medida Provisória 863/18, principalmente quanto à emenda que retoma a gratuidade para bagagens de até 23 quilos em aviões com capacidade superior a 31 passageiros. De acordo com ele, o presidente Jair Bolsonaro deveria vetar tal trecho do texto.

“É importante para o consumidor saber pelo que está pagando. Quanto mais detalhado, melhor”, comentou Freitas em reportagem realizada pelo Uol. Apesar da recomendação, o ministro reconheceu que tal medida não seria capaz de diminuir os preços das passagens aéreas no Brasil.

Flickr/Ministério da Infraestrutura
John Rodgerson (CEO da Azul), Felipe Carreras (deputado federal-PSB) e Tarcísio Freitas (ministro da Infraestrutura)
John Rodgerson (CEO da Azul), Felipe Carreras (deputado federal-PSB) e Tarcísio Freitas (ministro da Infraestrutura)
“O que baixa realmente o preço das passagens é uma maior concorrência entre as empresas do setor. Isso nós já estamos fazendo, abrindo o mercado. O consumidor deve começar a sentir os efeitos a partir do ano que vem”, explicou.

LEIA TAMBÉM
MPF defende franquia gratuita de bagagem em voos domésticos
Anac recomenda veto a proibição de cobrança de bagagem
Iata se posiciona contra franquia de bagagem no Brasil

Ainda durante a entrevista concedida ao Uol, o ministro da Infraestrutura revelou que, além da Air Europa, outras três aéreas estrangeiras teriam demonstrado interesse em operar voos domésticos pelo território brasileiro.

O presidente Jair Bolsonaro tem até o dia 17 de junho para sancionar ou vetar a Medida Provisória 863/18, incluindo a questão da gratuidade de bagagens. Na emenda, também está estabelecida a ausência de cobrança para malas de até 18 quilos em aeronaves de 21 a 30 lugares, e de até 10 quilos para aviões com apenas 20 assentos, no máximo.


*Fonte: Uol

conteúdo original: https://bit.ly/2XFiCb6
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA