Aviação continua em risco sem apoio governamental, diz Iata

|

Divulgação
Alexandre de Juniac, CEO da Iata
Alexandre de Juniac, CEO da Iata
A International Air Transport Association (Iata) apresentou uma nova análise mostrando que o setor de aviação não pode cortar custos o suficiente para neutralizar a grave queima de caixa para evitar falências e preservar empregos em 2021. A Iata reiterou seu apelo por medidas de alívio governamentais para sustentar as companhias aéreas financeiramente e evitar demissões em massa. A entidade também reiterou o apelo por testes pré-voo do covid-19 para reabrir as fronteiras e permitir viagens sem quarentena.

A receita total da indústria em 2021 deve cair 46% em comparação com o valor de 2019 de US$ 838 bilhões. A análise anterior era de que as receitas de 2021 caíssem cerca de 29% em relação a 2019. Isso se baseou nas expectativas de uma recuperação da demanda a partir do quarto trimestre de 2020. A recuperação foi adiada devido a novos surtos de covid-19, especialmente na Europa, e de restrições de viagens obrigatórias, incluindo fechamento de fronteiras e medidas de quarentena. A Iata espera que o tráfego no ano de 2020 caia 66% em comparação com 2019, com a demanda de dezembro caindo 68%.

“O quarto trimestre de 2020 será extremamente difícil e há poucos indícios de que o primeiro semestre de 2021 será significativamente melhor, enquanto as fronteiras permanecerem fechadas e/ou as quarentenas de chegada permanecerem em vigor. Sem alívio financeiro adicional dos governos, a companhia aérea média tem apenas 8,5 meses de caixa restante com as taxas de queima atuais. E não podemos cortar custos com rapidez suficiente para acompanhar as receitas reduzidas”, afirmou o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac.

Embora as companhias aéreas tenham tomado medidas drásticas para reduzir custos, cerca de 50% das despesas das companhias aéreas são fixos ou semifixos, pelo menos no curto prazo. O resultado é que os custos não caíram tão rapidamente quanto as receitas. Por exemplo, o declínio ano a ano nos custos operacionais no segundo trimestre foi de 48% em comparação com um declínio de 73% nas receitas operacionais, com base em uma amostra de 76 companhias aéreas.

Além disso, como as companhias aéreas reduziram a capacidade (assento-quilômetro disponível, ou ASKs) em resposta ao colapso na demanda de viagens, os custos unitários (custo por ASK ou CASK) aumentaram, uma vez que há menos assento-quilômetro para distribuir os custos. Os resultados preliminares do terceiro trimestre mostram que os custos unitários aumentaram cerca de 40% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Olhando para 2021, a Iata estima que, para atingir um resultado operacional de equilíbrio e neutralizar a queima de caixa, os custos unitários precisarão cair 30% em comparação com o CASK médio para 2020. Tal declínio não tem precedentes na indústria da aviação.

Os fatores que contribuem para esta análise incluem:

  • Com a demanda internacional caindo quase 90%, as companhias aéreas estacionaram milhares de aeronaves, principalmente de longa distância, e mudaram suas operações para voos de curta distância, sempre que possível. No entanto, como a distância média dos voos caiu drasticamente, mais aeronaves são necessárias para operar a rede. Com isso, a capacidade voada (ASKs) caiu 62% em relação a janeiro de 2019, mas a frota em serviço caiu apenas 21%.
  • Cerca de 60% da frota mundial de aeronaves é alugada. Embora as companhias aéreas tenham recebido algumas reduções dos locadores, os custos de aluguel de aeronaves caíram menos de 10%.
  • É fundamental que os aeroportos e prestadores de serviços de navegação aérea evitem aumentos de custos para preencher lacunas nos orçamentos que dependem dos níveis de tráfego pré-crise. Os custos de infraestrutura caíram drasticamente devido ao menor número de voos e passageiros. Provedores de infraestrutura podem cortar custos, adiar despesas de capital, tomar empréstimos nos mercados de capitais para cobrir perdas ou buscar alívio financeiro do governo.
  • O combustível é o único ponto positivo com preços 42% menores em relação a 2019. No entanto, espera-se que os valores subam no próximo ano, à medida que o aumento da atividade econômica aumenta a demanda por energia.
  • Embora a Iata não esteja defendendo reduções específicas da força de trabalho, a manutenção do nível de produtividade do trabalho do ano passado (ASKs/funcionário) exigiria o corte de 40% do emprego. Outras perdas de empregos ou cortes salariais seriam necessários para reduzir os custos unitários do trabalho ao ponto mais baixo dos últimos anos, uma redução de 52% em relação aos níveis do terceiro trimestre de 2020.
  • Mesmo que essa redução sem precedentes nos custos de mão-de-obra seja alcançada, os custos totais ainda serão maiores do que as receitas em 2021 e as companhias aéreas continuarão a queimar caixa.

“Há poucas notícias boas em relação aos custos em 2021. Mesmo se maximizarmos nosso corte de custos, ainda não teremos uma indústria financeiramente sustentável em 2021. A cada dia em que a crise continua, o potencial de perda de empregos e devastação econômica aumenta. A menos que os governos ajam rapidamente, cerca de 1,3 milhão de empregos em companhias aéreas estão em risco. E isso teria um efeito dominó, colocando 3,5 milhões de empregos adicionais no setor de aviação em risco, junto com um total de 46 milhões de pessoas na economia como um todo, cujos empregos são sustentados pela aviação. Além disso, a perda de conectividade da aviação terá um impacto dramático no PIB global, ameaçando US$ 1,8 trilhão em atividades econômicas. Os governos devem tomar medidas firmes para evitar essa catástrofe econômica e trabalhista iminente. Eles devem avançar com medidas adicionais de alívio financeiro. E eles devem usar testes covid-19 sistemáticos para reabrir as fronteiras com segurança sem quarentena”, concluiu de Juniac.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA