Iata traz dados para marcar os 20 anos dos ataques de 11/09

|

Neste sábado completam-se 20 anos dos ataques terroristas ao World Trade Center e ao Pentágono, em Nova York, nos Estados Unidos, em 11 de setembro de 2001. Desde então, vítimas da tragédia, suas famílias e entes queridos vêm sendo relembrados e homenageados.

Pixabay/Armelion
Neste sábado completam-se 20 anos dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001
Neste sábado completam-se 20 anos dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001
Para marcar a data, a Iata redigiu um material passando por diversos pontos desde o acontecimento, além de impactos operacionais e financeiros tanto dos EUA quanto globais. Confira a seguir.

"Duas décadas depois, o mundo ainda vive com as consequências do acidente, incluindo um aparato de segurança e inteligência amplamente expandido que se sobrepõe às viagens aéreas. As viagens passaram a contar com diversas mudanças, como remoção sapatos nos pontos de verificação, necessidade de retirar laptops e líquidos das malas de mão e limites estritos de líquidos e géis nas bagagens a bordo.

De uma perspectiva econômica, o 11 de setembro desencadeou uma onda enorme de devastação financeira no setor. As companhias aéreas dos EUA sofreram o fardo disso imediatamente após, mas os tremores secundários e o surto de Sars em 2003, combinados com as renovadas preocupações sobre o terrorismo durante e após a invasão do Iraque liderada pelos EUA naquele ano, estenderam a crise para muitas aéreas. No entanto, após alguns anos de recuperação, a crise financeira global chegou em 2008 para causar mais estragos.

Mas claro que o dano causado por ambas as crises não se compara ao impacto da covid-19. O fechamento de fronteiras decretadas pelo governo e as restrições de viagens na tentativa de desacelerar a disseminação da doença quase paralisaram a indústria em abril de 2020. E 18 meses depois, o tráfego internacional permanece um quarto dos níveis anteriores à crise. Ao olharmos para essas crises anteriores, o que aprendemos?

Uma lição importante é ir além do modelo único e baseado em regras que ainda, com algumas exceções notáveis, como o TSA Pre-check, governa a triagem de segurança dos passageiros. Também aprendemos que a eficiência é melhorada pelo estabelecimento de confiança com uma comunidade conhecida de viajantes e pela aplicação de medidas de segurança com base no baixo risco apresentado pela maioria dos passageiros. E uma lição adicional é estabelecer prazos firmes nos quais essas medidas extraordinárias expirem e exigir que os reguladores tomem medidas formais para estendê-los.

Existem alguns paralelos oportunos nessas lições com os desafios que a aviação enfrenta hoje com a covid-19. Traduzido para o ambiente atual, isso pode significar isenção de viajantes vacinados dos requisitos de teste e quarentena e abertura de fronteiras com base em medições de risco. Se o risco de transmissão for maior no país A do que no país B, não há realmente nenhuma razão para o A proibir os viajantes vacinados do B de visitarem. E devemos ter certeza de que as medidas não durem mais do que o necessário.

A história dos próximos 20 anos deve ser sobre a capacidade dos governos e da indústria de compartilhar e responder a novos riscos que são inerentemente integrados por natureza ou design. Infelizmente, essa lição não foi aprendida em termos da resposta dos governos à pandemia e a forma como as medidas de saúde estão sendo impostas à aviação civil sem uma consulta considerada."

Por Willie Walsh, diretor geral da Iata


Unsplash/Marcus Zymmer
Tragédia de 11 de setembro impactou fortemente o setor de aviação
Tragédia de 11 de setembro impactou fortemente o setor de aviação
IMPACTOS OPERACIONAIS E FINANCEIROS

Os maiores impactos operacionais de 11 de setembro foram na indústria aérea dos EUA:
  • Espaço aéreo fechado: em 10 de setembro de 2001, os aeroportos dos EUA movimentavam 38.047 voos. Em 12 de setembro, eles movimentaram 252 voos comerciais. Uma semana depois (18 de setembro), havia 34.743 voos.
  • As receitas das companhias aéreas dos EUA caíram de US$ 105,3 bilhões em 2000 para US$ 92 bilhões em 2001. As receitas não ultrapassaram os valores de 2000 até 2004 (US$ 106,7 bilhões).
  • As transportadoras registraram prejuízo líquido de US$ 8 bilhões em 2001, após ganhar US$ 2,2 bilhões em 2000. As perdas continuaram durante 2005. O total de perdas líquidas entre 2001 e 2005 foi de US$ 60,6 bilhões. No entanto, isso incluiu ajustes relacionados a falências de Chapter 11.
  • O tráfego de passageiros nos EUA, medido por RPMs, caiu 5,9% em 2001 em comparação com 2000 e mais 1,4% em 2002 em comparação com 2001. O tráfego não excedeu os níveis de 2000 até 2004.
  • Os empregos nas aéreas norte-americanas atingiram o pico em 2000, chegando a 520 mil, e chegaram em um mínimo de 378.600 em 2010 antes de subir para um pico pós-11/09 de 448.400 em 2019. Devido aos impactos da pandemia, atualmente é de 391.300.

IMPACTOS GLOBAIS
  • Globalmente, as receitas operacionais das companhias aéreas diminuíram de US$ 328,5 bilhões em 2000 para US$ 307,5 bilhões em 2001 e US$ 306 bilhões em 2002. As receitas não ultrapassaram os níveis de 2000 até 2004 (US$ 378,8 bilhões).
  • As companhias aéreas perderam US$ 13 bilhões em 2001 após ganhar US$ 3,7 bilhões em 2000. As perdas continuaram durante 2005. As líquidas totais entre 2001 e 2005 foram de US$ 41,5 bilhões.
  • O tráfego global de passageiros (RPKs) diminuiu 2,9% em 2001 em comparação com 2000. O tráfego voltou a crescer em 2002, mas não ultrapassou os níveis de 2000 até 2004.

O material completo, com mais insights, pode ser conferido aqui.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA