Tráfego de companhias aéreas na América Latina caiu 47% em novembro

|


Getty Images
O relatório da Iata detalha a performance do setor em novembro por regiões
O relatório da Iata detalha a performance do setor em novembro por regiões
Divulgado ontem (12) o relatório da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) sobre o mês de novembro vai além dos números globais do setor. Mais que mostrar a queda de 47% na demanda mundial por voos no período, o levantamento revela também os resultados por região. No caso da América Latina a queda replicou o indicativo geral, com retração de 47% na comparação com o mesmo mês em 2019, antes da pandemia.

O resultado, mesmo que demostrando recuo na comparação, é um grande avanço em relação à queda de 54,6% registrada em outubro de 2021 versus outubro de 2019. Em novembro, a capacidade caiu 46% e a taxa de ocupação diminuiu 0,9 pontos percentuais, atingindo 81,3%, que foi a maior taxa de ocupação entre as regiões pelo 14º mês consecutivo.

Ainda na América, mas na parte norte, a Iata informou que as companhias aéreas apresentaram queda de 44% na demanda de novembro, na mesma comparação. A capacidade encolheu 35,6% e a taxa de ocupação caiu 11,6 pontos percentuais, atingindo 69,6%.

Já as companhias aéreas da Europa relataram queda de 43% no tráfego internacional. A capacidade retraiu 36% e a taxa de ocupação caiu 9,7 pontos percentuais, atingindo 74,3%.

As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico apresentaram queda de 89,5% no tráfego internacional de novembro de 2021 em comparação a novembro de 2019, resultado um pouco melhor que a queda de 92,0% registrada em outubro de 2021 versus outubro de 2019. A capacidade caiu 80,0% e a taxa de ocupação diminuiu 37,8 pontos percentuais, atingindo 42,2%, a menor entre as regiões.

No Oriente Médio e na África houve queda de 54% e 56%, respectivamente. A taxa de ocupação no Orinete Médio foi de 61% e no continente africano de 60%.

O relatório completo e detalhado da Iata está disponível AQUI.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA