PARQUES TEMÁTICOS

América do Sul recebe só 14,6 milhões nos dez maiores parques

Emerson Souza
Presidente da International Theme Park Services (ITPS), Dennis Speigel, revelou os dados durante evento no Wet 'n Wild
Presidente da International Theme Park Services (ITPS), Dennis Speigel, revelou os dados durante evento no Wet 'n Wild
Nossa região ainda está a uma boa distância de alcançar mercados onde parques temáticos são, de fato, uma realidade para mais de 100 milhões de visitantes anualmente. De acordo com a palestra do presidente da International Theme Park Services (ITPS), Dennis Speigel, que participa do Industry Showcase & Tabletop Networking nesta segunda (6) no Wet n' Wild São Paulo, a quantidade de visitantes nos dez principais parques da América do Sul em 2017 foi de apenas 14,6 milhões de pessoas.

Em comparação, no top 10 dos parques da Europa foram 61,5 milhões no mesmo período; na Ásia, foram 134,2 milhões, e na América do Norte, 151,3 milhões, mais de dez vezes o número observado na América do Sul.

Se considerar não apenas os maiores empreendimentos temáticos, mas todos os parques e atrações individuais espalhadas na América do Sul o número sobe para cerca de 85 milhões de visitantes - ainda menos do que os dez maiores de Ásia e América do Norte. Eles estão espalhados em cerca de 550 parques localizados em 11 países, e empregam aproximadamente 100 mil colaboradores.

As receitas combinadas de todos os parques da América do Sul, ainda de acordo com dados da ITPS, girou em torno de US$ 1,9 bilhão em 2017; deles, 35,8% (ou US$ 681 milhões) vem do Brasil.

NOVAMENTE OS IMPOSTOS
"O problema é, entre outras coisas, a alta taxa de impostos no Brasil. Quando eu compro uma montanha-russa no valor de US$ 1 milhão, quando ela finalmente é finalizada, o preço total passa dos US$ 2,5 milhões só por causa de taxas", reclama Speigel, segundo quem o último parque de grande porte a ser construído por aqui foi o Hopi Hari, que teve trajetória problemática.

Vale destacar que uma reunião do Mercosul em outubro pode reduzir permanentemente os impostos para importação de equipamentos voltados a parques temáticos nos quatro países do bloco político.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA