Nova pesquisa confirma o doméstico como motor de retomada

|

O Turismo de lazer e compromissos pessoais são os principais motivos dos planos de viagens no pós-pandemia, como revelou um levantamento da MaxMilhas sobre as intenções de busca por voos nos próximos 60 dias. O estudo observou que os voos nacionais lideram o ranking geral, com 83% da preferência, tendência que se justifica pelas restrições das fronteiras e rotas internacionais, que ainda apresentam abertura incerta. Cidades do Nordeste, como Salvador, Fortaleza, Recife, Maceió e Natal, além de São Paulo e Porto Alegre, aparecem em destaque.

Já em relação ao período mais procurado para voos nacionais, 50% pesquisam viagens para daqui a dois meses ou mais e 40% para daqui a 45 dias, sendo que a média do período de permanência nos destinos mais procurados é de seis dias.

Rafaela Borges
Salvador é um dos destinos nacionais mais procurados, segundo levantamento
Salvador é um dos destinos nacionais mais procurados, segundo levantamento
QUEDA NO PREÇO MÉDIO
Outro dado revelou queda do preço médio das tarifas para alguns destinos nacionais e, principalmente para os internacionais, mostrando que o momento é uma oportunidade de comprar passagens mais baratas, para voar depois do isolamento.

A cidade de São Paulo está entre as dez viagens internacionais mais procuradas, principalmente em voos a partir de Lisboa e Miami. Esse resultado se deve, provavelmente, a uma parcela de brasileiros que desejam regressar ao país. Quanto ao período mais procurado, 50% pesquisam viagens internacionais para daqui a dois meses ou mais e 49%, para daqui a 45 dias. A média do período de permanência para esse tipo de voo varia entre dez e 15 dias.

“As pessoas estão voltando a comprar passagens aéreas para viajar após a pandemia e essa retomada das vendas vem aumentando pouco a pouco. Os resultados de maio estão 15% melhores do que os de abril, puxados principalmente pelos destinos nacionais. Por serem voos mais baratos, para distâncias mais curtas e sem restrições de fronteiras, a tendência é que as pessoas prefiram viajar pelo Brasil, que ainda é um país pouco explorado”, disse a sócia e CMO da MaxMilhas, Tahiana D’Egmont.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA