Dilson Verçosa e Trinca anunciam saída da American Airlines; saiba como

|

Arquivo PANROTAS
José Roberto Trinca, Dilson Verçosa Jr. e Alexandre Cavalcanti
José Roberto Trinca, Dilson Verçosa Jr. e Alexandre Cavalcanti
Ontem a American Airlines comemorou 30 anos de operações entre o Brasil e os Estados Unidos e com certeza teria havido uma grande festa, como a dos 25 anos, não fosse a pandemia de covid-19 que paralisou todo o mundo (incluindo os voos de muitas aéreas).

Os dois primeiros funcionários da companhia no País, Dilson Verçosa Jr. e José Roberto Trinca, anunciaram hoje aos colaboradores no Brasil que acertaram com a direção da empresa as suas saídas da empresa, 30 anos e muitas conquistas depois.

Dilson Verçosa Jr., que teria se aposentado no ano passado, mas que teve convite da companhia para assumir a América do Sul, ficará até janeiro de 2021, fazendo toda a transição e adaptações com a vice-presidente da América Latina, Christine Valls. A empresa estará menor, com 25% menos voos em 2021, como anunciou recentemente, e como o internacional vai demorar mais a voltar, mudanças serão feitas.

Já José Roberto Trinca, atual diretor de Vendas São Paulo/Sul, fica a princípio até o final de agosto deste ano, mas a data ainda não está definida.

Ambos os cargos, de Dilson e Trinca, serão extintos depois da saída dos dois.

“É um belo ciclo que se encerra. Começamos juntos na American há 30 anos, vimos a companhia crescer, mudar, e o fluxo de viagens entre o Brasil e os Estados Unidos evoluir, e isso é muito gratificante. Fizemos ótimas amizades e relacionamentos no trade e por isso eu, de minha parte, digo que não sairei do Turismo”, disse José Roberto Trinca, que prefere não detalhar seus planos.

Dilson Verçosa, como fica até janeiro de 2021, prefere falar de planos e dar declarações mais detalhadas mais para frente. Mas você pode conhecer um pouco de sua trajetória lendo nossa reportagem nos 45 anos da PANROTAS, que teve o executivo como um dos personagens principais.

“Foi uma boa oportunidade para ambos os lados e já estávamos negociando há alguns meses”, complementa Trinca. A pandemia e a reestruturação internacional da AA apenas aceleraram o processo.

ESTRUTURA BRASIL
O diretor de Vendas Brasil, Alexandre Cavalcanti, continuará no comando da empresa no País, assumindo também a área que estava com Trinca (Vendas São Paulo/Sul). No Rio de Janeiro continua Simoni Sá, cuidando das vendas Rio/Norte.

As operações estarão menores na América do Sul pelo menos nos próximos 18 meses, então haverá uma redução de estrutura em todos os países nos próximos meses, incluindo o Brasil. Mas nada foi definido até o momento.

Divulgação
VOOS BRASIL

Já os voos voltam gradativamente em agosto, outubro e novembro. Em 5 de agosto o Miami-São Paulo recomeça, com quatro voos semanais, que virarão diários no dia 18 do mesmo mês. “Temos feito quatro voos semanais de carga na pandemia e vamos aproveitar esse começo do retorno para fazer o mix passageiros e carga, como sempre foi feito”, explica Verçosa.

Depois voltarão os voos de Dallas e Nova York para São Paulo, e de Miami para Manaus, mas Los Angeles-São Paulo e Miami-Brasília foram cancelados.

Alexandre Cavalcanti, que muitos do trade já conhecem (ele já ocupou a posição onde hoje está Simoni e depois passou um período em Dallas), promete para breve mais detalhes sobre a estrutura da American Airlines no Brasil. Ele está como diretor de Vendas Brasil desde novembro do ano passado.

Agora é esperar o fim da pandemia para celebrar os 30 anos da companhia no País, a nova estrutura criada por Cavalcanti e o legado da dupla Dilson-Trinca, que se despede na American nos próximos meses.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA