NCL quer frota completa nos mares até abril de 2022

|


Divulgação
A Norwegian Cruise Line Holdings divulgou os resultados do terceiro trimestre encerrado em 30 de setembro de 2021 e anunciou que espera voltar aos mares com sua frota completa em 1º de abril de 2022. No momento 11 dos 28 navios do grupo estão em operação. As vendas futuras para o segundo semestre de 2022, segundo a empresa, estão fortes, com previsão de operação no azul no mesmo período, e os índices de satisfação a bordo confirmam que os protocolos têm funcionado e garantido o conforto e experiência dos hóspedes.

“Nosso grande retorno à navegação está no caminho certo com, até o momento, 11 navios de nossas três marcas premiadas, retomando com sucesso a navegação. As tendências iniciais são extremamente positivas, com forte receita a bordo, altas pontuações de satisfação dos hóspedes e nossos abrangentes protocolos de saúde e segurança SailSAFE, com respaldo científico, trabalhando para minimizar o impacto da covid-19”, disse Frank Del Rio, presidente e CEO da Norwegian Cruise Line Holdings.

“Embora as preocupações dos consumidores em torno da variante delta tenham resultado em uma desaceleração nas reservas durante o terceiro trimestre, os volumes de reservas líquidas melhoraram nas últimas seis semanas e continuamos a ver uma demanda futura robusta para cruzeiros, especialmente para a segunda metade de 2022 e além, quando se espera que nossa frota completa volte a operar em níveis de ocupação normalizados.”

OPERAÇÕES
A empresa continua a executar os planos de relançamento em fases para sua frota de 28 navios. A companhia possuía aproximadamente 40% de sua capacidade operacional ao final do terceiro trimestre de 2021 com a frota em serviço apresentando fluxo de caixa positivo no trimestre. A ocupação no terceiro trimestre de 2021 foi de 57,4%, refletindo os limites de ocupação impostos pela empresa.

Olhando para o futuro, espera-se que aproximadamente 75% da capacidade esteja operando até o final do ano de 2021 e a frota completa de volta em operação em 1º de abril de 2022. A empresa continua a esperar atingir um ponto crítico de inflexão no primeiro trimestre de 2022 com fluxo de caixa operacional tornando-se positivo. Além disso, com base na trajetória atual, a expectativa da companhia é lucrativa para o segundo semestre de 2022.

RESULTADOS
Os volumes de reserva líquidos no terceiro trimestre de 2021 foram impactados negativamente pela variante delta. A desaceleração resultante nos volumes de reserva líquidos foi fortemente ponderada para viagens no quarto trimestre de 2021 e início de 2022 e melhorou sequencialmente até 2022. O impacto diminuiu desde então e as reservas líquidas melhoraram significativamente nas últimas seis semanas, com particular força para reservas relacionadas a partidas no segundo semestre de 2022 e em 2023.

A posição global acumulada de reservas da empresa para todo o ano de 2022 está alinhada com os níveis de 2019, com preços mais elevados, mesmo quando incluído o impacto dilutivo de créditos de cruzeiro futuros. A posição total acumulada de reservas para a segunda metade de 2022, quando se espera que toda a frota esteja de volta à operação e em níveis de ocupação normalizados, é significativamente mais alto do que 2019 e com preços mais elevados.

O grupo disse que continua a tomar medidas proativas para aumentar a liquidez e a flexibilidade financeira no ambiente atual. Em 30 de setembro de 2021, a posição de dívida total da empresa era de US$ 12,4 bilhões e o caixa e equivalentes de caixa eram de US$ 1,9 bilhão.

Este mês, a empresa firmou um compromisso de US$ 1 bilhão até 15 de agosto de 2022, o que fornece liquidez adicional para as operações. Se sacado, esse compromisso se converterá em uma nota sem garantia com vencimento em abril de 2024. A companhia não sacou e atualmente não pretende sacar sob este compromisso.

A queima de caixa média mensal da empresa no terceiro trimestre de 2021 foi de aproximadamente US$ 275 milhões, abaixo do período anterior de aproximadamente US$ 285 milhões. Olhando para o futuro, a empresa espera que o consumo médio mensal de caixa no quarto trimestre de 2021 aumente para aproximadamente US$ 350 milhões, impulsionado pelo contínuo relançamento em fases de embarcações adicionais.

“Estamos extremamente satisfeitos com a execução perfeita de nossa equipe de nosso plano de retomada de viagem em fases e somos incentivados a ver a forte demanda do consumidor, gastos a bordo e alta satisfação dos hóspedes em todas as nossas marcas”, disse Mark A. Kempa, vice-presidente executivo e diretor financeiro diretor da Norwegian Cruise Line Holdings. “Tomamos várias medidas no trimestre para aprimorar ainda mais nosso perfil de liquidez e flexibilidade financeira e nos posicionar melhor em nosso caminho de recuperação à medida que mudamos da defesa para a ofensiva. Ao olharmos para o futuro, continuamos focados em reconstruir nosso forte histórico de desempenho financeiro, otimizando nosso balanço patrimonial e entregando nosso perfil de crescimento atraente e disciplinado, começando com a estreia do Norwegian Prima, que já quebrou recordes, para o verão de 2022.”

A receita aumentou para US$ 153,1 milhões em comparação com US$ 6,5 milhões em 2020, conforme as viagens de cruzeiro foram retomadas no trimestre.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA