África do Sul tem alta de 10% em número de brasileiros

|


Danilo Teixeira Alves
Time que trabalha na promoção e divulgação da África do Sul no Brasil: Diogo Caldeira, Tati Isler, Laís Bernardes, Milly Lacombe, Bianca Caballero, Marcelo Marques, Fabiana Magalhães e Bárbara Francelino
Time que trabalha na promoção e divulgação da África do Sul no Brasil: Diogo Caldeira, Tati Isler, Laís Bernardes, Milly Lacombe, Bianca Caballero, Marcelo Marques, Fabiana Magalhães e Bárbara Francelino
Os números oficiais do turismo sul-africano ainda não foram divulgados, mas a expectativa é bastante positiva. Segundo a representante da África do Sul no Brasil há 15 anos, Tati Isler, o resultado prévio aponta para um crescimento de 10%, se comparado com o ano de 2017, quando o país recebeu quase 70 mil brasileiros. Para celebrar o momento, o turismo do país reuniu hoje parceiros, operadores e agentes de viagens para um coquetel no restaurante Capim Santo, em São Paulo.

“Para nós esse é um resultado muito, mas muito positivo. O ano de 2017 foi histórico, pois crescemos cerca de 70% em relação a 2016. Se a gente mantivesse o resultado já seria algo muito bom. Superar esse número e ainda crescer 10% é muito gratificante, pois nos mostra o quanto estamos no caminho certo em relação a promoção da África Do Sul”, explica Tati.

Para ela, o início das operações da Latam contribuiu bastante com o incremento. “Fizemos um trabalho incrível de promoção e mostramos o quanto a passagem para a África do Sul ficou acessível para o brasileiro. Há ainda muita demanda reprimida, mas temos feito o dever de casa com a meta de encurtar a distância entre os dois países”, explica.

A popularização do produto também foi outro fator fundamental no sucesso dos resultados referentes a 2018. "O brasileiro está aprendendo a viajar a novos destinos, e a África do Sul tem se aproveitado disso. Antes, era um destino que você precisava ficar explicando, mas a divulgação tem dado resultado. Hoje, já é um destino muito mais conhecido".

Danilo Teixeira Alves
Representante do destino há 15 anos, Tati Isler comemora o resultado dos trabalhos relacionados ao centenário de Nelson Mandela
Representante do destino há 15 anos, Tati Isler comemora o resultado dos trabalhos relacionados ao centenário de Nelson Mandela

CENTENÁRIO
O pilar dos trabalhos do Turismo da África do Sul no Brasil em 2018 foi o centenário de Nelson Mandela. O líder sul-africano teria completado, caso estivesse vivo, 100 anos em 18 de julho. Foram diversas ações direcionadas ao consumidor final, mas que também serviram para que o profissional de turismo adquirisse ainda mais conhecimento sobre um dos maiores homens de nossa história e o seu país de origem.

Ao longo de 2018, o centenário de Nelson Mandela deu origem a diversos projetos. Foram eles: “Mulheres brilhantes, seguindo os passos de Nelson Mandela”, que levou diversas personalidades femininas da cultura afro até a África do Sul; a pintura do mural de Mandela no Parque do Minhocão, ação cultural na Emei Nelson Mandela, campanha em relógios de rua em São Paulo, lançamento do livro “Cartas da Prisão de Nelson Mandela”, entre muitos outros.

“Trabalhar essa data aqui no Brasil foi algo muito rico, pois aproximamos ainda mais o Brasil da África do Sul e vice-versa. A história desse líder, que foi responsável por mudar a linha de pensamento de todo um país, é algo que nos orgulha bastante. Em 2019 ainda vamos colher muitos frutos que foram “plantados” ainda no ano passado”, destacou Tati.

Um dos resultados é a realização do fórum “O viajante negro do Brasil: reconexões através do Turismo”, realizado em parceria com a turismóloga Thainá Santos e que vai discutir as temáticas do turismo e das relações étnicos-raciais. O evento passará pelas cidades de São Paulo e Salvador e as datas serão divulgadas em breve.

Uma outra ação programada para 2019 é a realização da South African Week, em parceria com o Grand Hyatt São Paulo e a South African Airways. O evento, que acontecerá entre 27 de maio e 2 de junho, será aberto ao público e fará uma imersão completa na cultura sul-africana, apresentando aos participantes o que o país pode oferecer de melhor em gastronomia, música, moda, etc.

“Nós temos muito trabalho pela frente. A África do Sul tem muito o que a ensinar para o Brasil. Lá, o racismo ficou no passado, por exemplo. Ao contrário daqui, onde nos deparamos diariamente com casos de racismo em nossa sociedade”, afirmou Tati.

Por fim, os representantes do destino no Brasil anunciaram que o habitual roadshow anual do país passará, entre os dias 5 e 11 de setembro, pelas cidades de Buenos Aires, Santiago e São Paulo.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA