Ainda sem data para reabrir, Argentina aposta no Turismo de natureza

|


Unsplash
O Inprotur tem planos de promoção direcionados ao mercado brasileiro, com foco no ecoturismo
O Inprotur tem planos de promoção direcionados ao mercado brasileiro, com foco no ecoturismo
Apesar de não haver data prevista para a reabertura das fronteiras, a Argentina já se prepara para a retomada junto à toda a cadeia turística. A principal aposta do país é no ecoturismo com o novo produto “Rota Natural”, já que os destinos de natureza ganharam força com a pandemia de covid-19.

De acordo com o secretário executivo do Instituto Nacional de Promoção Turística (Inprotur), Ricardo Sosa, o projeto já foi consolidado entre os turistas internos da Argentina durante a campanha de verão, realizada nos últimos meses. As ações da campanha ligadas ao Turismo de natureza foram reconhecidas internacionalmente na Fitur 2021 e devem ser apresentadas na feira Anato, que acontece de 16 a 18 de junho em Bogotá.

“A campanha de verão foi uma importante ação para nos diferenciar nesse contexto de pandemia. Esse trabalho é o primeiro a ser feito para receber o turista internacional com segurança após a reabertura das fronteiras. A Inprotur está atuando constantemente com toda a cadeia turística para promover o Turismo da Argentina e manter as informações atualizadas”, reforçou Sosa.

REABERTURA DAS FRONTEIRAS
Segundo Sosa, a Argentina só reabrirá as fronteiras quando atingir um nível seguro de vacinação, o que deve ocorrer em breve, já que o governo está focado em acelerar o plano de vacinação interna. Atualmente, cerca de 16 milhões da primeira dose da vacina já foram aplicadas, o que representa 27% de toda a população argentina. A expectativa é de que 35% a 40% da população seja vacinada com a primeira dose ainda neste mês, já que o país deve receber sete milhões de doses até o fim de junho.
Divulgação
Ricardo Sosa, do Inprotur
Ricardo Sosa, do Inprotur

Os dados da vacinação já oferecem uma boa perspectiva para a reabertura das fronteiras, mas é necessário que ela ocorra de forma bilateral, de acordo com o secretário do Inprotur. “Assim que a segunda onda da covid-19 na Argentina acabar e a vacinação evoluir, o ministro da Saúde vai analisar a possibilidade de reabrir as fronteiras. No entanto, essa reabertura precisa acontecer em um processo de reciprocidade entre os países. O diálogo deve ser constante para reabrirmos ao mesmo tempo”, ressaltou Sosa.

Atualmente, o setor turístico da Argentina segue um protocolo composto por 14 medidas sanitárias, que foram reconhecidas internacionalmente com o selo Safe Travels do WTTC. Na primeira etapa de reativação para turistas internacionais, as atrações continuarão seguindo todos os protocolos em vigência, incluindo o limite de visitas. Além disso, o secretário do Inprotur reforça que as pessoas vacinadas serão as primeiras que poderão visitar o país, por meio do certificado de vacinação.

MERCADO BRASILEIRO
A Argentina tem direcionado os projetos de retomada para os mercados brasileiro e chileno, já que são os principais provedores de turistas para o país. O Brasil envia cerca de 1,5 milhão de turistas por ano para a Argentina, enquanto o Chile, cerca de 1,1 milhão. Juntos, eles representam 65% de todo o volume de turistas estrangeiros do país.

Além de trabalhar nas questões sanitárias para preservar a segurança dos viajantes, o Inprotur atua em duas frentes direcionadas ao mercado brasileiro: a via aérea e a terrestre. Em relação ao modal terrestre, haverá uma promoção específica para os viajantes da região Sul do Brasil, também com foco no Turismo de natureza.

“Estamos trabalhando muito para garantir a segurança do turista. Estamos seguros de que a restauração da confiança será um fator determinante para que o turista brasileiro possa visitar a República Argentina”, disse Sosa.

Em relação à tríplice fronteira, o secretário destaca que a cidade de Puerto Iguazú já fez seu trabalho interno para receber os turistas, mas a abertura efetiva depende do avanço do plano de vacinação dos países envolvidos. “A expectativa de receber os turistas é alta, mas antes é preciso uma resposta sanitária. Estamos trabalhando para que a reabertura aconteça o mais breve possível”, reforçou.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA