Portugal reaberto: interior e Madeira são tendências nas operadoras

|

Divulgação
A Ilha da Madeira foi destacada por seus atrativos ao ar livre e na natureza
A Ilha da Madeira foi destacada por seus atrativos ao ar livre e na natureza
Após quase 18 meses, Portugal volta a permitir viagens não essenciais para o país, permitindo que brasileiros visitem o destino com a apresentação de um teste negativo (PCR ou antígeno) para covid-19 sendo a única exigência. Assim, não é obrigatório estar vacinado ou cumprir quarentena na chegada para visitar o país europeu. A medida está em vigor desde o primeiro dia de setembro.

As operadoras brasileiras receberam muito bem a notícia e, no geral, estão prontas para voltar a vender Portugal e já apontam os principais destinos e atrações. Os executivos também aproveitaram para sugerir aos agentes aproveitar o momento para demonstrar o valor da venda assistida ao estar próximo da sua base de clientes, se preparar e entender as novas regras em detalhes, se informar sobre as novidades, estar atendo às ofertas e ter paciência com as dúvidas.

ABREU

PANROTAS / Emerson Souza
Ronnie Corrêa, da Abreu
Ronnie Corrêa, da Abreu
A Abreu conta com a vantagem de ser uma empresa portuguesa e toda a operação dos circuitos e a grande maioria dos produtos europeus serem próprios, com guias portugueses. "Temos grande tradição e conhecimento do país. Isso confere aos nossos clientes a segurança tão desejada neste momento e a chancela de sermos a maior operadora de circuitos europeus com operação própria do Brasil", afirma o diretor geral da Abreu no Brasil, Ronnie Corrêa.

De acordo com a operadora, houve um aumento na procura de destinos com atividades ao ar livre e de bem-estar e viagens com foco em enogastronomia. De olho nestas tendências, a Abreu criou pacotes para a Ilha da Madeira, que conta com atividades ligadas à natureza, como as levadas e trilhas; e roteiros ligados à enogastronomia com visitas a propriedades produtoras de vinho de acesso restrito ou atividades diferenciadas, sempre acompanhadas por especialistas.

DIVERSA

Divulgação
Adriana Fredericce, da Diversa Turismo
Adriana Fredericce, da Diversa Turismo
A preparação da Diversa para a abertura de Portugal foi realizada com a "aproximação aos nossos DMCs locais e nos mantendo atualizados sobre o destino e novidades", afirmou a diretora de Produtos e Operações da operadora do Grupo Arbo, Adriana Fredericce. De acordo com a executiva, a Diversa conta com roteiros com disponibilidade on-line em seu portal, junto aos principais parceiros de circuitos europeus.

Para Adriana, Lisboa, por ser a porta de entrada, "sem sombra de dúvidas estará em alta". "Além disso, a cidade está próxima de carro de “retiros” exclusivos, onde os passageiros podem aproveitar uma experiência única, unida à hotéis ímpares localizados ao norte. A Ilha da Madeira, sem sombra de dúvidas pela infraestrutura e beleza natural está na lista de desejos dos brasileiros", explicou.

LUSANOVA

Divulgação
Sergio Vianna, da Lusanova
Sergio Vianna, da Lusanova
De acordo com o gerente comercial da Lusanova, Sergio Vianna, a procura pelo destino foi imediata. "Poucas horas após a notícia da abertura temporária das fronteiras para turistas brasileiros, tivemos dezenas de solicitações para Portugal, sem sequer termos feito qualquer divulgação do destino", afirmou o executivo da operadora reconhecida por conta de seus circuitos em ônibus pela Europa.

Lisboa e Porto seguirão como as preferidas pelos clientes na opinião de Vianna, mas também deve haver uma procura pelo interior de Portugal. "Destinos que antes eram visitados durante o trajeto entre uma cidade e outra, vão passar a ser opção para pernoite, assim, os clientes buscam maior contato com a natureza e desfrutar da excelente culinária regional portuguesa. Destinos como a Aveiro, Viseu, Belmonte, Pinhão e Évora são exemplos", explicou.

ORINTER
Divulgação
Silvana Fernandes
Silvana Fernandes
Enquanto isso, a Orinter manteve seu portal atualizado à espera da reabertura dos principais países, como Portugal, e manteve contato permanente com fornecedores de produtos, destinos, com lives e treinamentos, com o intuito de preparar seus consultores e agentes para a retomada.

"Entendemos que Portugal, assim como outros destinos da Europa, continuam como um dos top destinos em vendas, nossa expectativa é que tenhamos um aumento significativo de share em nosso volume", afirmou a coordenadora de produtos Europa na Orinter, Silvana Fernandes.

A operadora disse estar focando em experiências e roteiros que priorizem espaços e atrações ao ar livre; e também está se adaptando a tendência de pequenos grupos e roteiros sob medida.

SCHULTZ
Divulgação
Rodrigo Rodrigues
Rodrigo Rodrigues
Já a Schultz está focando em produtos Small Groups para 2022 em Portugal. "Isso porque sabemos que Portugal está analisando, quinzenalmente, se a fronteira se mantém aberta. Por isso, estamos focando em 2022. Claro, se o passageiro quiser comprar 2021, nós temos o produto para oferecer e ele será oferecido desde que ele tenha ciência dos riscos – um deles é que se o turista pegar a covid-19 no país, ele será obrigado a ficar 14 dias lá", explicou o diretor Comercial da Schultz, Rodrigo Rodrigues.

Para além da dica de segurança, a Schultz promete a oferta de sete roteiros que vai atender todo perfil de viajante para Portugal, passando por quem deseja conhecer história, lazer, gastronomia e vinho, entre outros. Em apoio a venda destes produtos, a operadora conta com a sua filial em Lisboa e operação própria a partir dos produtos Small Groups, "que se encaixa perfeitamente e é ideal para família ou pequenos grupos de amigos que buscam uma viagem mais tranquila", segundo Rodrigues.

E a sua operadora, o que prepara para Portugal nesta reabertura? Envie as novidades para redacao@panrotas.com.br
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA