TURISMO

7 dicas para jovens agentes que querem mudar o mundo

Abre a agência de manhã, recebe ligações, algumas visitas, fecha venda de pacotes e encerra o expediente ao fim da tarde. Este modelo de negócios está ultrapassado. Ao menos para a nova geração de agentes de viagens que promete não apenas mudar, mas aperfeiçoar o futuro do mercado.

Vender viagens não é apenas feito dessa forma. Os millennials, nome que tem cada vez sido mais difundido, têm a inquietude e a tecnologia como alguns de seus triunfos para remodelar o negócio.

Confira abaixo sete dicas – dadas por profissionais estrangeiros – e entenda melhor esses novos profissionais. Depois de ler, responda: você acredita que isso funcionaria bem no Brasil?

Millennials, o futuro das viagens

REVOLUCIONAR COMUNICAÇÃO
“Os millennials realmente estão mudando o jeito de comunicar dos agentes de viagens e abrindo os olhos de profissionais de viagens mais experientes”, disse o gerente de Desenvolvimento de Negócios da Mast Travel Network, Mike Ertmer.

Os clientes sequer estão pegando o telefone ou enviando e-mails. Eles enviam mensagens por meio de Facebook, Twitter ou enviam mensagens de texto à espera de uma resposta.

VOAR SOB O RADAR
Os jovens independentes têm dado uma nova forma de vender viagens, afirma o diretor de Operações da Travel Masters em Vancouver (Canadá), James Shearer. “É um processo de vendas de nicho, em vez de um nicho de mercado. Você tem pessoas comandando o que seria uma agência grande, mas são apenas eles.”

“Eles estão sentados em um pub com um grupo de pessoas que se reúnem e vão para uma viagem. Alguns estão tão ‘sob o radar’ que, ao menos que você esteja nesse círculo, você não saberá sobre. Alguém talvez esteja executando [seu negócio] em seu porão e trabalhando com amigos.”

No fim das contas, trata-se de um jeito muito diferente de entregar um produto “velho”, continua ele. “Pode ser uma agência de viagens licenciada, mas talvez tenha uma fachada completamente diferente. É um ambiente bastante diferente”, finalizou.

APROVEITAR CONEXÕES GLOBAIS
O networking para negócios tem tomado um novo e mais expansivo significado para os jovens profissionais de viagens de hoje. Quem afirma é a diretora de Programas da Travel Leaders of Tomorrow, Heather Kindred.

Eles são amigos de centenas ou milhares de pessoas ao redor do globo as quais nunca se encontraram pessoalmente. Mas têm interações diárias no Instagram, Snapchat, Youtube, blogs e canais de streaming ao vivo.

Casamento é um dos nichos que podem ser facilmente explorados pela nova geração

ENTRAR POR PORTAS DIFERENTES
Os millenials também estão se unindo ao negócio de viagens por meio de caminhos não tradicionais. Bloggers de viagens têm entrado nessa indústria, trazendo habilidades de otimização de sites e bom conteúdo que atrai pessoas às suas páginas, comentou a vice-presidente executiva de Parcerias Estratégicas e Desenvolvimento de Negócios para o Global Instituite for Travel Entepreneurs (Gifte), Vanessa McGovern. “São essencialmente experts em viagens com clientes integrados, mas eles não percebem que podem monetizar.”

Outro exemplo é o nicho de viagens de romance. “Há uma progressão natural: uma noiva começa a trabalhar com um especialista em viagens e se apaixona com o processo e quer se tornar uma expert em destinos para casamentos”, completou.

REDEFINIR O MERCADO
Profissionais jovens têm influenciado as mídias sociais em um “nível muito profundo” para redefinir o espaço de marketing. “A era digital tem colocado o poder de marketing em suas mãos”, disse Vanessa.

Um jovem vendedor de viagens de uma área rural que quer se especializar em casamentos pode, por exemplo, usar o Power Editor – ferramenta de criação de anúncios em massa do Facebook – que têm como alvo pessoas de um certo nível de renda que acabaram de mudar seu status para noivos.

“Por causa da democratização do marketing, eles podem falar diretamente para prospectar em áreas de valor elevado em outras partes do país”, destacou Vanessa.

A nova geração de agentes têm criado estratégias de marketing inteiramente em anúncios no Facebook. “Pode ser muito acessível e com um retorno muito bom no seu investimento porque é ‘hiper-focado’”, finalizou ela.

VENDER A SI PRIMEIRO
Os novos agentes, mesmo aqueles em um ambiente tradicional de trabalho, geralmente trazem sua visão e mentalidade empresarial para o papel. “Sua expectativa não é necessariamente que seu trabalho venha a ser entregue a eles”, disse Kindred.

Ao invés disso, eles estão construindo sua própria base de clientes, enquanto cultivam uma marca pessoal, geralmente por meio de um alcance de plataformas de redes sociais. Em outras palavras, um empreendedor pode trabalhar para uma empresa, mas ele quer ser ele mesmo e ter a sua presença nas redes sociais. Há a vontade de ser o talento e a marca.

A "despreocupação" com o habitual faz com que agentes invistam em meios próprios e usem a tecnologia ao seu favor

IGNORAR VELHAS FRONTEIRAS
Os jovens têm cruzado e, às vezes, apagado todo tipo de velhas fronteiras em vendas de viagens de varejo.

“Os bons não vem sites como Tripadvisor ou Uber como competidores ou dificultadores de seus negócios. Eles vêem como ferramentas complementares”, disse a fundadora do Host Agency Reviews, Stephanie Lee.

“Eu vejo agentes de viagens novos fazendo viagens mais customizados, combinando fornecedores que tradicionalmente não trabalham com o trade e cobram taxas de orçamento de viagens para compensar a perda de comissões. Essa geração tem olhado para isso como um negócio de ‘estilo de vida’. Não vê como um trabalho das 9h às 17h com uma linha distinta entre o pessoal e o negócio.”

Isso se adequa ao estilo de trabalho flexível favorecido por esse público. “Uma das coisas que mais anseiam é a liberdade, esse jeito ‘laptop’. Eles não querem estar presos a uma mesa”, disse Vanessa.

Esses profissionais frequentemente insistem no seu próprio jeito quando o assunto é produto. Os jovens são superfocados em nichos. “Alguns fazem isso agora. Mas a geração millennial irá realmente focar no que ama e no que está apaixonada. Eles vão elevar isso ao próximo nível”, opinou Ertmer.

“Para ser sincero, eu acredito que eles podem ser um pouco teimosos. Eles só querem vender o que estão interessados. Eles não querem conhecer o mundo necessariamente, querem vender o que gostam. Também são Yolo [expressão em inglês que significa ‘você vive apenas uma vez’], ou seja, vão fazer o que querem fazer”, finalizou Ertmer.


*Fonte: Travel Market Report

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA