Intercâmbio surpreende e CVC cresce no 1º trimestre

|

Divulgação
A divulgação dos resultados operacionais do Grupo CVC nos primeiros três meses do ano revelou crescimento de 11,9% nas reservas confirmadas frente ao 1T16 (R$ 2,2 bilhões), número que considera todas as frentes do conglomerado (lazer, corporativo, intercâmbio e on-line). A performance teve como grandes protagonistas o lazer e a recuperação do corporativo, por meio da Rextur Advance.

Outro setor que também não decepcionou foi o internacional, revelando a volta do otimismo do consumidor, mesmo em um cenário econômico ainda desafiador. De qualquer forma, no comparativo com o mesmo período do ano passado, a CVC tem 20,7% de crescimento nas reservas que preveem embarque nos próximos trimestres.

Outros dados interessantes do balanço foram o crescimento em 8,1% do lucro líquido ajustado do Grupo (R$ 68,5 milhões), de 4,7% na receita líquida (R$ 298 milhões) e 12% do EBITDA ajustado (R$ 166,5 milhões). Outro dado positivo foi a abertura de nove lojas, totalizando 97 nos últimos 12 meses. Em março, estavam em operação 1.104 unidades exclusivas CVC.

Já o retorno sobre o capital investido (ROIC) nos últimos 12 meses (encerrado em 31 de março) foi de 24,6%, número inferior aos 32,4% registrados no fechamento de março de 2016.

INTERCÂMBIO
Outro grande destaque individual foi a Experimento, com aumento acima de 30% nas reservas confirmadas, também diante do mesmo período do ano, provando que, de fato, foi um investimento certeiro da companhia.
A grande sacada, segundo a companhia, foi a liberação de novas alternativas de financiamento para os brasileiros que estão buscando experiência ou capacitação no Exterior (dez vezes sem juros), modelo inspirado no segmento de viagens de férias. O modelo anterior previa parcelamento com jutos e pagamento total do pacote antes da data do embarque.

O grupo também informa que já concluiu a integração das equipes e aprovou o orçamento para este ano.
Luiz Eduardo Falco
Luiz Eduardo Falco

FALCO COMENTA

Em entrevista ao Portal PANROTAS, o presidente do Grupo CVC, Luiz Eduardo Falco, segue cauteloso com o atual momento vivido pelo país. Para ele, há, sim, um retorno do otimismo do consumidor, mas “a chuva continua”.
“O tráfego business começou a melhorar, mas nada comparado ao passado. De qualquer forma, essa retomada vem mais pela Rextur Advance do que pelo Lazer, que segue no seu patamar habitual. É a combinação dos canais que faz a nossa diferença”, afirmou ele, ressaltando março como período diferencial, já que foi considerado o melhor mês na série histórica para o Lazer (R$ 554 milhões), Rextur Advance (R$ 294 milhões) e Experimento (R$ 20 milhões) no quesito reservas confirmadas.

TREND

A aquisição do Grupo Trend ainda segue sem detalhes. Sem autorização para comentar a transição, Falco limitou-se a dizer que “nada vai mudar” e que a Trend seguirá sua trajetória da mesma forma que tem seguido até o momento.

“Cada marca é e será tratada de forma separada. Já demos esse exemplo com a Rextur Advance. A gente acredita nesse modelo, não temos motivo para fazer diferente com a Trend.”
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA