United cancelará operações São Francisco-Hangzhou em outubro

|

Flickr/InSapphoWeTrust
O serviço estará indisponível a partir do dia 16 de outubro
O serviço estará indisponível a partir do dia 16 de outubro
Pouco mais de um ano após anunciar os voos sem escalas entre São Francisco e Hangzhou, na China, a United decidiu deixar de operar a rota a partir do dia 16 de outubro deste ano. O serviço, que era o único que ligava diretamente as duas cidades, aparentemente, não obteve um bom desempenho.

Na época do lançamento da rota, em julho do ano passado, o vice-presidente de Vendas do Atlântico e Pacífico da aérea, Marcel Fuchs, afirmava que a rota seria um ótimo complemento de destinos chineses para o portfólio da empresa. "Agora totalizamos três cidades de interior na China que nenhuma outra companhia disponibiliza nos Estados Unidos", pontuou o executivo.

A United esperava usar a conexão direta com o seu hub de São Francisco como porta de entrada de viajantes chineses também para outros destinos nos Estados Unidos, Canadá e América Latina. No entanto, parece que a rota não atendeu as expectativas da empresa.

Sobre o cancelamento, a companhia declarou que em todos os mercados em que servem, os índices de desempenho são constantemente analisados. "Tomamos a decisão porque o serviço não é economicamente viável", declarou em nota. A United ainda destacou que entrará em contato com passageiros que tenha reservas de voos para depois de 16 de outubro, a fim de lhes oferecer planos de viagens alternativos.

DESTINOS ASIÁTICOS
Apesar do cancelamento, a companhia ainda tem planos de expansão no continente asiático. No começo do mês passado, a aérea confirmou que o novo Boeing 777-300ER, equipado com assentos Polaris na classe executiva, começará a operar na rota para Pequim, com origem em São Francisco, a partir de setembro.

Além disso, a rota de São Francisco para Narita tem início das operações previstas para 28 de outubro. Ainda para o mesmo mês, a companhia planeja lançar a sua nova rota entre Los Angeles e Singapura — que será o voos sem escalas mais longo operado nos Estados Unidos.


*Fonte: Business Travaller

conteúdo original: http://bit.ly/2u2CKJK
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA