Entidades cobram governo do Paraná por liberação de eventos

|

Desde o início da pandemia de covid-19 no Brasil, os eventos foram paralisados, cancelados ou mesmo adiados, o que afetou a categoria de uma maneira imensurável, gerando um efeito cascata em todo o setor.

Divulgação
Entidades se reúnem em encontro on-line e cobram governo do Paraná por liberação de eventos
Entidades se reúnem em encontro on-line e cobram governo do Paraná por liberação de eventos
Desde março, no Paraná, os eventos estão impedidos de acontecer, devido a decretos do governo do Estado, o que vem gerando preocupação e prejuízos para empresários, como apontam as entidades representantes do setor, como a Associação Brasileira de Eventos no Paraná (Abeoc-PR) e os Convention & Visitors Bureaus.

Agora em 2021 parece que as restrições continuarão: no último dia 7, o governo paranaense publicou no Diário Oficial um novo decreto proibindo atividades com mais de 25 pessoas até o fim de janeiro.

“Com a impossibilidade de realizar congressos técnicos, científicos, feiras técnicas ou de varejo e corporativos pelo atual decreto do governo do Estado do Paraná, amplia a angústia deste setor e causa um efeito negativo econômico em cadeia nas atividades características do Turismo”, diz o presidente da Abeoc-PR, Fabio Skraba.

Skraba ainda cita o efeito cascata da paralisação de grandes acontecimentos com impacto em mais de 500 setores, como hotéis, fornecedores de iluminação e som, transportes, bares, restaurantes e outros.

A mesma preocupação divide os Convention & Visitors Bureaus do Paraná, responsáveis por captar e fomentar atividades. Segundo dados das entidades, os prejuízos são enormes e eventos com realização neste ano correm o risco de serem cancelados pelas restrições impostas a grandes encontros.

Somente em Curitiba, cerca 80 eventos foram cancelados no ano passado, somando 488 mil participantes que deixaram de estar na capital, o que gerou um prejuízo de R$ 165 milhões ao Turismo local. Em Ponta Grossa, mais de 15 atividades foram canceladas, gerando uma perda de mais de R$ 300 milhões, somando todos os grandes eventos com pessoas de diversas partes do Brasil, como a Agroleite e a Feira Paraná.

Entre os grandes eventos cancelados em 2020 no Paraná estão: ExpoLondrina, Expo Ingá, Smart City, Mercosuper, Agroleite, Congresso de Cardiologia, Feira Paraná, Expofrísia, Expoleite entre outros. Em 2021 já há o adiamento do Show Rural, marcado para acontecer entre os dias 22 e 26 de março.

CVBs DISCUTEM DECRETO
No dia 6, representantes dos CVBs se reuniram com a Abeoc-PR para discutir o novo Decreto Nº 6.294 proibindo a realização de confraternizações e eventos presenciais com mais de 25 pessoas, excluídas da contagem crianças de até 14 anos, até o fim do mês.

No encontro on-line, os representantes debaterem as ações do governo do Estado e lamentaram o formato de anúncio dos decretos, que acontece na quinta-feira, sem aviso prévio e sem ouvir o setor, o que faz atividades programadas serem canceladas ou adiadas sem tempo hábil.

Ainda foi discutido a falta de igualdade na proibição de eventos, onde os representantes pedem compreensão e uma análise apurada sobre os tipos de atividades, pois as empresas de eventos adotaram vários protocolos de prevenção contra a covid-19, como espaçamento entre cadeiras e mesas, controle das pessoas com cadastrado, aferição de temperatura e outros.

Em busca de uma maior representação nas tomadas de decisão do governo do Estado em relação aos novos decretos, também ficou decidido que os representantes das entidades agendarão um encontro com o governador, Carlos Massa, solicitando autonomia às cidades em relação a como acontecerão os eventos.

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA